As nações pagãs utilizavam a escarnificação, o dilacerar a carne, como meios ritualísticos relacionados aos mortos “Não façam cortes no corpo por causa dos mortos, nem tatuagens em si mesmos. Eu sou o SENHOR” (Lv 19:28). “Vocês são os filhos do SENHOR, o seu Deus. Não façam cortes no corpo nem rapem a frente da cabeça por causa dos mortos” (Dt 14:1) “Então passaram a gritar ainda mais alto e a ferir-se com espadas e lanças, de acordo com o costume deles, até sangrarem” (IRs 18:28). “Tanto grandes como pequenos morrerão nesta terra; não serão sepultados nem se pranteará por eles; não se farão incisões nem se rapará a cabeça por causa deles” (Jr 16:6).

mexicana Maria CristernaO caso mais bizarro é o da mexicana Maria José Cristerna de 35 anos mais conhecida como “mulher vampiro”. Em certo momento ela decidiu que seu corpo devia ser coberto com tatuagens, mas não se restringiu aos estúdios de amigos e decidiu abrir o seu próprio, onde trabalha como tatuadora profissional, já que não pode trabalhar na sua profissão de formação, advogada, devido a sua aparência.

Em um site, um defensor do uso de tatuagens e piercings, escreveu: Mas para mim, os piercings mais fascinantes foram os de Jesus, quando os cravos enferrujados foram pregados em suas mãos e pés na cruz do Calvário. Esses “piercings” foram mostrados a Tomé (as marcas dos furos dos pregos) e permanecem para sempre! (Jo 20:25-27).

O texto mais específico e polêmico é Levítico 19:28.  As palavras do texto do verso 28 são: não façam sareteth (incisão, corte, talho) na vossa carne pelos mortos, nem fareis kethobeth (incisão, corte, marca feita a ferro em brasa) sobre vós.

O pai da palavra “tattoo” que conhecemos atualmente foi o capitão James Cook (também descobridor do surf), que escreveu em seu diário a palavra “tattow”, também conhecida como “tatau”(era o som feito durante a execução da tatuagem,em que se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele).Com a circulação dos marinheiros ingleses a tatuagem e a palavra Tattoo entraram em contato com diversas outras civilizações pelo mundo novamente.Porém o Governo da Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos em 1879, a partir daí a tatuagem ganhou uma conotação fora-da-lei no Ocidente.

Historicamente, o declínio na tatuagem tribal na Europa, América, África e Ásia, está relacionada ao crescimento do Cristianismo. As estratégias missionárias desenvolvidas por  católicos e protestantes acabavam confrontando o uso de marcas corporais com expressões religiosas pagãs. Entenda-se adoração de vários deuses e espíritos.

Outro argumento é que o uso controlado dessas marcas permitem o acesso às tribos urbanas que as utilizam como ferramenta de distinção e agregação. Além disso, um argumento de defesa para uso em igrejas geracionais voltadas para estes grupos possibilita a assimilação dos novos convertidos sem mudanças radicais como a remoção dolorosa de tatuagens e piercings.

Parece razoável o argumento que as tatuagens e piercings são prejudiciais à saúde. Muitas vezes, vemos imagens e expressões constrangedoras. Em outros casos, parecem indicar uma necessidade de chamar a atenção. Ocorre que muitos adolescentes utilizam devido ao conjunto de amigos. Recomenda-se que estes adolescentes sejam orientados pelos pais. Se estes precisarem de ajuda pastoral, a orientação precisa respeitar os gostos do jovem. Certa vez, precisamos recolocar um jovem, que ministrava aulas para adolescentes, porque passou a usar brincos. O princípio utilizado foi do livre-arbítrio para sua supervisão, mas também, da influência que poderia exercer sobre um grupo. A ação foi rápida mas não indolor. A remoção de tatuagens e piercings não pode ser indolor mas é necessária pois é uma atitude contra-cultura. A igreja cristã pode avaliar quais aspectos culturais podem ser admitidos ou recusados para que o evangelho seja pregado e produza discípulos de Cristo.

________________________________________________________________________________________________________

The popularity of Tattoo and body piercing has increased tremendously. A 2006 survey taken by theJournal of the American Academy of Dermatology an estimated 36% of Americans aged 18-29 now have tattoos.  A Harris Interactive poll conducted in January 2008 concluded that 14% of all adults in the United States have a tattoo, with the highest incidence (25%) found among gays, lesbians and bisexuals. This article I would like to address both of these subjects, starting with body piercing.

For a Christian we have the Old Testament principle- Deut. 14:1: “You are the children of the LORD your God; you shall not cut yourselves … It was the priests of Baal that cut themselves for their God to react against Elijah. These were common practices in cultures that did not know God and served other gods. The practice of gashes on the face and arms and legs took place in time of bereavement, was universal among the pagans. It was used as respect for the dead; they would also mark themselves to some idol or god for service.

Many wore jewelry in the eastern culture and dressed themselves up as if they were going out on a night on the town- they clothed them-self with crimson, adorned them-self with ornaments of gold, enlarged their eyes with paint (Jer. 4:30).

“The earrings usually worn by Egyptian women were large, round, single hoops of gold, from 1 1/2 to 2 1/3 inches in diameter, and frequently of a still greater size or made of six rings soldered together. Sometimes a snake, whose body was of gold set with precious stones, was worn by persons of rank as a fashionable caprice, but it is probable” (from New Unger’s Bible Dictionary).

The Hebrew people were prohibited from any laceration or marking of the body. Cuttings in the skin was associated with pagan cults that tattooed their followers while they mourned the dead. Lev 19:28 “You shall not make any cuttings in your flesh for the dead, nor tattoo any marks on you: I am the LORD.” Hebrew-kethobeth– an impression, an inscription, a mark; in the flesh.”.

The word tattoo comes from the Tahitian “tatu” which means “to mark something.” Body painting was to express social status and religious values, it was often used to indicate one’s social role at a given time.

“Tattooing was practiced by the Egyptians as early as 2000 BC. Color tattooing became highly developed among the Maoris of New Zealand and was once popular as a form of adornment in China, India, and Japan. Sailors introduced the practice into Europe during the Age of Exploration (16th century and 17th century Tattooing, (Encarta Encyclopedia)

Captain Cook made the discovery to the then unknown Islands of the South Seas. On April 11, 1769, Tahiti was sighted and he and his crew went ashore a few days later. Joseph Banks first recorded the name and customs of the people that had the marks, and it put his observations in journals.

The Maoris of New Zealand tattooed elaborate designs on their faces to disguise expressions of fear. Early Japanese wore tattoos to designate their rank in society. Tattoos were used in the 19th century to brand criminals and in the 20th century to label inmates of Nazi concentration camps” (Compton’s Interactive Encyclopedia Deluxe).

Rom 6:13: “And do not present your members as instruments of unrighteousness to sin, but present yourselves to God as being alive from the dead, and your members as instruments of righteousness to God.” One has to decide if tattoos come under this topic.

1 Cor 3:16-17: “Do you not know that you are the temple of God and that the Spirit of God dwells in you? If anyone defiles the temple of God, God will destroy him. For the temple of God is holy, which temple you are.”