[Para o músico-mor sobre Gitite. Salmo para os filhos de Coré] A palavra gitite deriva de Gate, que significa “lagar”. Os salmos 8, 81 e 84 trazem essa inscrição. A NVI traz “Para o mestre de música. De acordo com a melodia Os lagares”. Strong (SCI 665) dá a entender que se trata de uma harpa gitita, instrumento musical usado para acompanhar o salmo. A palavra deriva da raiz hebraica que significa “lagar”. Os frutos trazidos para a Festa dos Tabernáculos eram pisados para fazer vinho. Os trabalhadores do lagar dançavam, andavam e cantavam de alegria, falando uns aos outros da bondade do Senhor. Jesus foi ao Getsêmani, “lagar”, por nós, para que recebêssemos o vinho do Espírito e pudéssemos cantar e nos alegrar diante do Senhor em nosso culto.

1. Quão amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos!
2. A minha alma está desejosa, e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo.
3. Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde ponha seus filhos, até mesmo nos teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu.

Jorge Camargo, músico de Vencedores por Cristo, escreve sobre sua música baseada neste salmo: A linguagem piedosa do texto — “o meu coração e a minha carne exultam pelo Deus vivo”; “mais vale um dia nos teus átrios do que mil nas tendas da perversidade”; “porque o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dá graça e glória, nenhum bem sonega aos que andam retamente” — cativou meu coração. Durante muito tempo eu quis ser como o salmista, como se isso fosse possível. Eu ainda não havia lido “…o qual, passando pelo vale árido…”. Hoje esta é a parte do Salmo que mais aprecio. Ela faz com que eu me sinta mais conectado com o personagem e com o texto como um todo. No ano seguinte (1985), passei a conviver regularmente com Guilherme Kerr, que escreveu a adaptação da terceira estrofe (Pois o Senhor é sol e escudo). O resto… é história.  Talvez esta seja minha canção mais conhecida Brasil afora, e uma de minhas preferidas.

4. Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente. (Selá.)

5. Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração estão os caminhos aplanados.

6. Que, passando pelo vale de Baca, faz dele uma fonte; a chuva também enche os tanques.

Baca é um tipo de planta de bálsamo que sobrevive em condições de seca. Provavelmente o vale de Baca seja o mesmo vale dos Refains mencionado em ( 2 Sm 5: 22 – 24). Espiritualmente falando, este vale de Baca é o ” deserto” onde aprendemos que só Jesus é o nosso sustento, nosso pão e nossa água. No vale de Baca só existe baca ( vegetação rasteira que não precisa de água para sobreviver ), nós necessitamos de água para sobrevivermos, o vale de Baca não é nosso lugar, temos que passar por lá em algum tempo de nossa vida e lá experimentarmos o Senhor Jesus como nossa fonte de água viva.

7. Vão indo de força em força; cada um deles em Sião aparece perante Deus.
8. SENHOR Deus dos Exércitos, escuta a minha oração; inclina os ouvidos, ó Deus de Jacó! (Selá.)

Robert E.Wallace, da Judson University, identifica que Salmos de Lamentações dominam o Livro III do Saltério. Entre os Salmos 74 a 89, 10 Salmos possuem características semelhantes de lamentos. Ele concorda na situação pré-exílio do Salmo 84. Quanto ao Salmo 85, reflete ser uma lamentação sobre o salmo anterior, situando-se no período pós-exílio.

O povo de Deus habitava com Seu povo no deserto. A Festa dos Tabernáculos nos lembra que somos peregrinos. Deus abençoa as famílias que abrigam crentes em Jesus Cristo. Suas casas serão abençoadas mas devem ser lugar de amor e adoração. Quando chegamos no templo, nosso propósito deve ser oferecer nossas vidas como sacrifício vivo. Uma igreja se torna um templo quando 2 ou mais discípulos estão reunidos em concordância em nome de Jesus.

9. Olha, ó Deus, escudo nosso, e contempla o rosto do teu ungido.
10. Porque vale mais um dia nos teus átrios do que mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos ímpios.

Nosso corpo hoje simboliza o Tabernáculo: Espírito, alma e corpo.

I Coríntios 6:19 ” Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? ” O Corpo representa o Átrio,  é a parte que faz contacto com o exterior , a alma é oculta representa o Lugar Santo, somente Deus pode perscrutá-la, o espírito é a parte mais intima é o Lugar Santíssimo ou Santo dos Santos onde a Gloria de Deus se manifesta e faz contacto. O Espírito Santo de Deus  habita no Espírito do homem, salvo e puro.

11. Porque o SENHOR Deus é um sol e escudo; o SENHOR dará graça e glória; não retirará bem algum aos que andam na retidão.
12. SENHOR dos Exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança. 

Os filhos de Coré eram um grupo de sacerdotes que eram encarregados do ministério de canto. II Crônicas 20:19 descreve eles em ação: “E levantaram-se os levitas, dos filhos dos coatitas, e dos filhos dos coratitas, para louvarem ao SENHOR Deus de Israel, com voz muito alta.” Os filhos de Coré escreveram 12 salmos: 42 a 49, 84-85, 87-88. Porém a vida e ministério deles é mais uma prova de superação. O livro de Crônicas identifica os coratitas  como “guardadores das portas” do Tabernáculo.

Números 16 narra uma rebelião promovida por um levita, Coré. Bisneto de Levi, ele sem dúvida tinha muita influência e autoridade, pois conseguiu reunir atrás de si duzentos e cinqüenta homens de renome, líderes do povo. O SENHOR havia definido a posição e o ministério de cada um, inclusive o de Corá, um coatita (Êxodo 6:16,18; Números 3:17,28,29,31; 4:36; 26:57,62). Os rebeldes principais, Coré, Datã e Abirão foram mortos com as suas famílias e seus bens mediante a abertura sobrenatural de fendas na terra embaixo de suas casas, que se fecharam em seguida, sepultando-os vivos. Mas os filhos de Corá foram poupados (capítulo 26:11). Esta foi a prova que Moisés deu ao povo que o SENHOR o enviara a realizar tudo o que havia feito, que não havia procedido dele mesmo (v.28).