Na minha humilde opinião, todas as Agências missionárias deveriam apresentar seus relatórios anuais. Sim, algumas Agências possuem controles eficientes, porém, outras insistem em desprezar qualquer sistema de prestação de contas.
Não é bastante dizer onde os recursos foram gastos, mas mostrar resultados naturais. Resultados naturais são os números das Colheitas: vidas semeadas, campos restaurados e frutos obtidos.

Estimo que 80% dos recursos financeiros do Reino de Deus estão nos países desenvolvidos. Então, seus líderes deveriam aplicá-los na formação de cristãos nos países fechados ao Evangelho. Geralmente, eles enviam jovens missionários para dar experiências de fé aos membros das igrejas dos EUA e Europa. Dessa forma, eles buscam o interesse de suas comunidades religiosas e não prioritariamente das comunidades nos países não alcançados.

Bom, qual é o melhor caminho? Através do movimento dinâmico de missionários vindos de países em desenvolvimento onde o Evangelho mais cresce: Coreia do Sul e Brasil. Sejamos diretos. Em outros países emergem alguns cristãos com habilidades relevantes que podem ser aproveitados. Mas o que adiantaria todo o conhecimento com pouco carisma. O carisma garante que o caráter do missionário traz o Reino de Deus durante seus estudos bíblicos, pregações, canções e serviços sociais.

Simultaneamente, igrejas deveriam avaliar seus líderes e missionários pois o Espírito Santo nos move para sermos criativos e perseverantes para buscar renovação constante.

Liderança IBCA 2005-2007

Em 2005, fui convidado a dirigir o Departamento de Missões da IBCA. A gestão eclesiástica congregacional necessita de obreiros que sejam voluntários responsáveis e diligentes. Na ocasião, recebemos a missão de criar um sistema de avaliação de desempenho dos missionários. Foram conversas difíceis mas necessárias para se obter uma decisão cheia de sabedoria através de vários participantes. As avaliações realizadas foram fundamentais para as revisões de convênios nos anos seguintes.

Em uma planilha, elaboramos um sistema de pontuação que incluía a recepção de relatórios trimestrais e plano ministerial atualizado bem como da percepção de diversos líderes da igreja sobre relação do missionário com a igreja e sua atividade no campo.

A igreja deve ter cuidado para orientar os vocacionados para cumprir seu chamado missionário. O objetivo é não criar falsas expectativas, nem investir em jovens que planejam apenas viajar pelo mundo sem uma formação profissional, emocional e espiritual.

Na Parábola dos talentos, entendo que a lição mais importante é que o Senhor da Seara espera o melhor de nossos investimentos usando o que recebemos como capacidade e ampliando com segurança conforme nossa habilidade de negociar. O resultado natural será uma colheita relevante na sua essência, mas não imposta por sua estética.

Publicidade