E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento.

Essa narrativa de Mateus, registrada no cap. 22 e versos 37 e 38, captou a resposta do Senhor Jesus a um doutor da lei. O pastor Mike Bickle, presidente do Casa de Oração Internacional em Kansas City, pregou na minha igreja ontem e disse que o Espírito Santo está restaurando esse grande mandamento. A igreja se porta como a noiva do Senhor e vive de modo digno diante de tentações e perseguições provadas.

Penso que ele lembrou de seu trabalho como publicano, a serviços dos romanos para cobrar impostos para sustentar os gastos crescentes da monarquia romana. Penso que é possível trabalhar com honra em seus negócios mas honrar a Deus sobre todas as coisas.

Assim como nos tempos de Jesus, as elites se juntavam em partidos políticos e religiosos. As pessoas juravam lealdade e passavam a lutar pela predominância de seu grupo.

Lembrei que um gerente me perguntou, mas ele sabia a resposta: “Você precisa escolher entre a igreja e a Petrobras.” Desde 1986, trabalho com honra na Petrobras. O gerente propôs que eu organizasse um contrato de manutenção em tubulações nas paradas de manutenção em unidades de refinarias utilizando Hh (homem-hora) “negociado”. Eu respondi que não participaria da elaboração pois o método de Hh negociado poderia ser aplicado, bem planejado, negociado e rastreado em equipamentos com tags como fornos, torres, vasos de pressão e trocadores de calor.

HH tubos

A partir daquele momento, em 2004, a lei passou a ser aplicada com rigor sobre mim. Não que a lei seja ruim. A Petrobras sempre aplicou procedimentos benéficos para todos os empregados. Passamos a receber Participação nos lucros, os sindicatos não faziam mais greves, passamos a receber melhores benefícios. Enquanto isso, milhares de jovens profissionais entravam através de concursos mal planejados. Milhares de viagens, mudanças promovidas e abonos vergonhosos se multiplicaram. A Petrobras chegou ter 800 advogados!

Pela Lei de Informação, a Petrobras informou que desde 2004, 80% dos empregados lotados nos prédios da Petrobras (aprox. 20 mil empregados próprios), na cidade do Rio de Janeiro, recebiam algum tipo de abono gerencial durante o ano de trabalho. Porque a minoria que exerceu com honra seu trabalho não recebeu nenhum abono gerencial? Será que não pertenceram a qualquer partido político ou religioso?

Eu nunca recebi abono gerencial por nenhum motivo, mesmo de saúde ou problema pessoal. Qual a diferença de tratamento ou procedimento? Pelos números recebidos, percebe-se que ocorreu diferença de tratamento onde muitos receberam abonos gerenciais por diversos motivos.

Em 2014, a Lava-Jato revelou que havia uma quadrilha operando nas Diretorias da Petrobras. Mas a história continua…

Anúncios