Os brasileiros estão entre os mais pessimistas do mundo, segundo pesquisa do instituto norte-americano Pew Research Center com 40 países.

No Brasil, 87% dos entrevistados consideram que a economia vai mal e apenas 13% acreditam que vai bem. O nível de pessimismo só perde para a Ucrânia (94%), Líbano (89%) e Itália (88%).

No caso brasileiro, trata-se de uma forte deterioração, já que no ano passado os otimistas eram 32%. Os mais otimistas do mundo estão na China, com 90% avaliando que a economia vai bem. Na sequência aparecem Etiópia (89%) e Vietnã (89%).

Ainda de acordo com a pesquisa, 66% dos brasileiros acreditam que a economia vai melhorar nos próximos 12 meses, outros 13% acham que vai ficar igual e 21% esperam piora.

Os jovens são mais otimistas. Na faixa entre 18 e 29 anos, o porcentual dos que esperam melhora nos próximos 12 meses é de 72%, caindo para 45% para os que têm entre 30 e 49 anos e 56% no grupo acima de 50 anos.

Em relação às futuras gerações, 61% dos entrevistados acreditam que as crianças de hoje terão melhores condições financeiras quando crescerem. Já para 35% dos brasileiros, as condições serão piores.

Bad or Good mood 2015

Na mediana dos 40 países pesquisados, 45% consideram que a economia está em bom estado. Questionados sobre o futuro, o mesmo nível de 45% dos entrevistados acredita que seus filhos terão condições financeiras melhores, mas apenas 39% acham que a economia vai se recuperar nos próximos 12 meses.

Entre os países onde a avaliação mais melhorou está a Nigéria, com 57% dos entrevistados considerando a economia boa, contra 39% na pesquisa do ano passado. Em segundo na lista está a Argentina, com 38%, ante 26% um ano antes. E em terceiro a Índia, com 74%, contra 64% antes.

Já o país no qual o otimismo da população mais piorou foi a Malásia, onde 46% avaliam positivamente este ano, de 72% no ano passado. Nesta lista, o Brasil está em quinto lugar, com uma queda de 19 pontos porcentuais, conforme os números já citados acima.

O Pew ouviu mil pessoas no Brasil entre 7 de abril e 4 de maio. A margem de erro da pesquisa é de 4 pontos porcentuais.

Fonte: Exame, 26/ 07/ 2015

Anúncios