O livro Missão da igreja: dimensões e efeitos analisa a situação da igreja brasileira a partir de pesquisas que realizamos de 2008 a 2011, para subsídio para nosso TCC em Missiologia na FTSA. O trabalho deu origem ao livro que o Instituto Paracleto publicou e já obteve o retorno do seu investimento. Todo excedente foi destinado ao Instituto para abençoar projetos missionários e sociais. O segundo livro tratará da relação de expansão do Cristianismo com a História dos Estados em conflitos e Mercados em formação. Se Deus permitir, a trilogia se encerrará com nossa visão de futuro para a igreja.

Tipo A: Centralização vertical e horizontal _ Pode associar-se às igrejas episcopais, especialmente as neo-pentecostais tais como Pentecostal Deus é Amor, Universal do Reino de Deus, Renascer em Cristo e Igreja Mundial do Poder de Deus. O poder de decisão está concentrado nas mãos de um único indivíduo, o dirigente situado no topo da hierarquia, a saber, o executivo principal.

Tipo B: Descentralização horizontal limitada (seletiva) _ As igrejas episcopais históricas como a Metodista, Luterana e Anglicana e ramais pentecostais como Igrejas de Nova Vida, Wesleyana e Comunidades Evangélicas possuem bispos que supervisionam pastores. Em algumas denominações, promove-se o rodízio de pastores em média de 5 anos. Pastores de Igrejas Assembléia de Deus de grande porte funcionam como “bispos” dos pastores das várias igrejas-filhas.

Tipo C: Descentralização vertical limitada (paralela) _ Referem-se às igrejas presbiterianas e pentecostais históricas que utilizam o ofício do presbítero. O presbitério possibilita essa descentralização. Igrejas Assembléia de Deus de pequeno porte funcionam através da figura do presbítero. Recentemente, muitas igrejas congregacionais têm instalado um conselho de obreiros similar ao presbitério.

Tipo D: Descentralização vertical e horizontal seletiva _ Referem-se às igrejas congregacionais. A coordenação interna ou entre os grupos é efetuada principalmente mediante ajustamento mútuo. A autonomia fortalece a igreja local, porém, dificulta o controle de procedimentos.

Tipo E: Descentralização vertical e horizontal _ Referem-se às igrejas nos lares. Podem-se incluir as igrejas que trabalham sem a figura pastoral como a Cristã Maranata, Congregação Cristã, Testemunha de Jeová e Mórmon.

Organização e hipóteses com igrejas