Na viagem que fizemos em outubro de 2012 em vários sítos históricos em Israel, notei que cada pedra tem uma história, e se tem uma coisa que absolutamente toda terra de Israel tem, é pedra! Pedras de todos os formatos, cores e tamanhos além de muita beleza. Se cada uma tem história, imagine quantas histórias. E como pedra não desaparece, lá está por toda parte esperando para que os visitantes cheguem e as histórias sejam contadas!

As pedras representam as pessoas, cada crente em particular é uma pedra no altar de Deus. Se levarmos em conta que a reunião de salvos forma um altar de adoração, cada crente deve se sentir e se comportar como uma pedra. “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo“. – 1 Pedro 2:5.

O profeta João Batista exclamou aos seus seguidores: “ …Até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão.” Lucas 3:8. Durante a entrada triunfal do Senhor Jesus em Jerusalém, quando ele foi saudado como Rei, os fariseus disseram para Jesus mandar que os discípulos se calassem! “E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão”. (Lc. 19:40).

Ensinou Elisha ben Abuyá: “um homem que tem boas obras e ensina muito a Torá, a quem ele se assemelha? Ao homem que constrói pedras em baixo e depois tijolos; e, vindo muitas águas e irem de encontro a elas, não as mudam de lugar. E um homem que não tem boas obras e estuda a Torá, a quem ele se assemelha? A um homem que construiu inicialmente [com] tijolos e depois [pôs] as pedras; e, vindo então muitas águas correntes, de repente as despedaça [as pedras e os tijolos]” (Pirkêi de-Rabi Natan 24;1-2). Yeshua, o Nazareno, ensinou, quase 200 anos antes de Ben-Abuyá: “E aquele que ouve estas minhas palavras e as não cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda” (Mt 7;26-27).

Emplacement du tabernacle à Siloanimation of slinger

Após um estudo de três anos, realizado pelo Serviço Geológico de Israel, constatou que a Cidade Velha seria a região mais atingida caso ocorresse um forte terremoto em Jerusalém, pois foi construída sobre camadas de escombros, não sobre a rocha original. Amos Bein, diretor do centro, explicou que os pesquisadores usaram a tecnologia mais moderna existente para varrer a topografia de Jerusalém, analisando sua geologia, tipos de solos e o verdadeiro labirinto subterrâneo existente sob a Cidade Velha. O último grande sismo na área foi em 1927, com magnitude 6,3 perto de Jericó, cerca de 15 quilômetros a leste de Jerusalém. Curiosamente, foi o responsável por rachaduras no sudoeste da parede exterior da mesquita Al Aqsa e também na Igreja do Santo Sepulcro, construída em torno do local onde acredita-se que Jesus foi crucificado.

É costume judaico colocar uma matsevá (pedra tumular) sobre o túmulo do falecido . Esta é de responsabilidade dos filhos e demais parentes. Sobre esse hábito, é interessante lembrar que o filme A lista de Schindler mostra, em suas cenas finais, vários sobreviventes judeus, salvos durante o holocausto, colocando pedras sobre a lápide de Oscar Schindler.

Além de compor paisagens, as pedras serviram como armas de guerra. O pequeno Davi era habilidoso em lançar pedras com auxílio de uma funda para enfrentar animais selvagens. A ceélebre vitória sobre o filisteu Golias demonstra sua confiança em Deus e habilidade cono fundeiro.

No livro de Juízes cap. 20, verso 16, relata a habilidade dos israelitas de manejar fundas como arma de guerra: “Em todo esse exército havia setecentos homens de escol, canhotos. Todos eram muito hábeis e qualquer um desses soldados era capaz de atirar com a funda uma pedra pesada e acertar um fio de cabelo sem pecar, isto é, sem errar.”

Luis Pons Livermore, das Baleares, Espanha, o maior “fundeiro” (atirador esportivo de funda) do momento foi a Israel para colaborar em testes sobre a efetividade de uma funda como a usada por Davi. Cientistas acompanharam o teste, apresentando as condições necessárias para ser verídico e crível. O Dr. Mike Edwards, traumatologista, calculou que a força de uma pedrada capaz de matar alguém deveria golpear o crânio com uma potência algo acima de 3.000 newtons numa área de 30 milímetros quadrados. Cerca de 3.000 newtons equivalem à força necessária para partir ao meio um bloco de concreto. O teste se revelou positivo: o “fundeiro” fez uma pedra atingir o equipamento de medição com uma potência de 3.620 newtons, o bastante para liquidar Golias.

Clique para ver um vídeo sobre a força do impacto de uma pedra.