As Eleições foram influenciadas pelas redes sociais mas o Governo federal tratou de manter o Norte e Nordeste no atraso para dificultar a mensagem da oposição. Basta comparar o resultado das eleições com o mapa de acesso à internet.

Após uma década, a maior vitória dessas eleições é que voltamos a ter oposição. Isso é essencialmente bom para remover o poder absoluto. É preciso pagar um preço para ser oposição ao Governo federal, em Órgãos públicos e Estatais. A perseguição foi constante e silenciosa. Por isso, é importante juntarmos as pessoas de bem com seus propósitos para uma agenda alternativa.

O acesso à internet cresceu 143,8% entre a população com 10 anos ou mais de 2005 para 2011, enquanto o crescimento populacional foi de 9,7%. Apesar da disparada, 53,5% dos brasileiros dessa faixa etária ainda não utilizam a rede.

O estudo, feito com dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Em 2011, a menor parcela de brasileiros que usaram a rede (21,4%) está entre aqueles que não têm rendimentos ou recebem o equivalente a um quarto do salário mínimo (R$ 169,50). Já a maior (76,1%) é de quem tem renda entre três e cinco pisos salariais (R$ 2.034 a R$ 3.390). Foi considerado o rendimento mensal per capita.

De 2012 para 2013, avançou o número de lares com computadores com acesso à internet de 40,3% para 43,1%, numa tendência vista desde 2009, primeiro ano em que a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) passou a investigar o tema. A proporção de internautas na população do país passou de 49,2% para 50,1%. Mais da metade (52,6%) tinha de 10 a 29 anos de idade.

mapa internet 2010