O Brasil e os Estados Unidos possuem uma coisa em comum, ambos são uma federação. A diferença é que os Estados Unidos é uma federação de verdade e os Estados realmente tem mais autonomia, por isso seriam os estados os responsáveis pela escolha do líder dos “estados unidos”.

Nos Estados Unidos, o presidente é eleito por um colégio eleitoral formado pelos delegados que cada estado possui. Estados mais populosos possuem mais delegados e quem vence o estado leva todos os seus delegados. Dos 538 delegados, quem chega aos 270 já é consagrado presidente.

Se o Brasil escolhesse seu presidente da mesma forma que os Estados Unidos, teria que dar um número de delegados a cada estado proporcional a sua população, outro fator para definir o número de delegados que um estado possui é que ele deve possuir 3 delegados no mínimo. Sendo assim, cada estado ficaria com o número de delegados mostrados abaixo. O estado São Paulo sozinho deteria 112 delegados dos 538 possíveis.

estado proporção colégio colégio eleitoral ajustados
 São Paulo 21,60% 116,208 112
 Minas Gerais 10,30% 55,414 55
 Rio de Janeiro 8,40% 45,192 45
 Bahia 7,30% 39,274 39
 Rio Grande do Sul 5,60% 30,128 30
 Paraná 5,50% 29,59 30
 Pernambuco 4,60% 24,748 25
 Ceará 4,40% 23,672 24
 Pará 4,00% 21,52 21
 Maranhão 3,40% 18,292 18
 Santa Catarina 3,30% 17,754 18
 Goiás 3,10% 16,678 17
 Paraíba 2,00% 10,76 11
 Amazonas 1,80% 9,684 10
 Espírito Santo 1,80% 9,684 10
 Rio Grande do Norte 1,70% 9,146 9
 Alagoas 1,60% 8,608 9
 Piauí 1,60% 8,608 9
 Mato Grosso 1,60% 8,608 9
 Distrito Federal 1,30% 6,994 7
 Mato Grosso do Sul 1,30% 6,994 7
 Sergipe 1,10% 5,918 6
 Rondônia 0,80% 4,304 4
 Tocantins 0,70% 3,766 4
 Acre 0,40% 2,152 3
 Amapá 0,40% 2,152 3
 Roraima 0,20% 1,076 3

Avaliando a eleição presidencial passada, teríamos:

Eleição de 2010

No primeiro turno de 2010, Marina Silva teria 7 delegados, Serra teria 196 delegados e Dilma teria 345 delegados.

No segundo turno, Serra obteria 219 delegados contra 319 delegados de Dilma. Vale lembrar que se Serra tivesse obtido os 55 delegados de Minas Gerais, ele teria obtido a maioria no colégio eleitoral.

A peculiaridade desse mapa seria a vitória e o bom desempenho de Marina Silva nos grandes centros urbanos de Minas Gerais, do Distrito Federal e do Rio de Janeiro.

Mais uma vez um mapa bem colorido que mostra a existência de duas nações, uma que paga e outra que recebe os impostos.

Conclusão
Podemos concluir que o modelo de colégio eleitoral, apesar de falho, tende a produzir o mesmo resultado do voto popular. O caso mais favorável a uma discrepancia ocorreu em 2006, quando a diferença de 7 pontos no voto popular produziu uma diferença de 58 delegados no colégio eleitoral.

As campanhas políticas hoje são caras e trabalhosas porque os candidatos tem que correr todo o Brasil para conseguir o máximo de votos, priorizando as grandes capitais.
Ademais, se o modelo fosse imposto, seria mais difícil de prever o resultado da eleição, pois os institutos de pesquisa teriam que fazer pesquisas nos 27 estados da federação. A eleição seria muito mais emocionante, pois o resultado em apenas um estado poderia mudar tudo. As pessoas.

Se o modelo do colégio eleitoral fosse implementado, as campanhas seriam mais baratas e o nordeste ficaria irrelevante, uma vez que seus delegados seriam assegurados pelo PT, fazendo com que os tucanos tentassem obter a maioria em no Sul e Sudeste.

O colégio eleitoral também seria uma ótima forma de uma candidata sem recurso como Marina Silva ser mais bem sucedida, pois se ela só precisaria vencer nos 5 estados mais populosos para obter 270 delegados, e se levarmos em consideração que existiriam pelo menos mais 2 partidos disputando a eleição, seria possível vencer com  menos de 270 delegados.

Como São Paulo teria 112 delegados e os estados do nordeste teriam juntos 150 delegados, o principal alvo das campanhas seria Minas Gerais. Nenhum candidato à presidência venceu sem ter ganho em Minas Gerais, além do mais, se analisarmos os resultados no país e em Minas veremos que o estado sintetizaria um pouco da realidade política da nação.

Nunca um candidato venceu no país sem ter vencido por maior proporção em Minas Gerais. Em 2010, Dilma venceu no país por 56% e venceu em Minas por 58%.

Previsão para 2014

Se o colégio eleitoral fosse implementado para as eleições de 2014, ou mesmo que não seja, imagino que se candidatarão Dilma do PT, Aécio Neves do PSDB, Marina Silva do P? e talvez Eduardo Campos do PSB.

Levando em consideração as tendências históricas de alinhamento dos estados de acordo com as últimas eleições, imagino que se Marina vencesse no Rio de Janeiro e Distrito Federal; Eduardo Campos vencesse em Pernambuco e Ceará e Aécio vencesse em Minas e na maioria dos estados das regiões sul-sudeste, isso já seria o suficiente pra dar muita dor de cabeça para a companheira Dilma.

Mas ainda bem que no Brasil, o voto é bem direto né.