Outro dia, postei no Facebook a foto de uma igreja luterana da região norte da cidade do Rio de Janeiro, construída nos anos 90, e que nunca iniciou suas atividades. De fato, as igrejas históricas de missão precisam se adaptar ao contexto latino-americano para sobreviver. Senão, o que acontece com muitas igrejas na Europa e EUA poderá iniciar no Brasil.

Parte de uma igreja da metade do século XIX, em Adelaide, sul da Austrália, foi transformada numa residência pra lá de moderna. Com 520 metros quadrados de área, a propriedade supercolorida tem três quartos, dois banheiros, cozinha contemporânea, deck, jardim e controle de segurança e TV. Depois da reforma, a parte interna da casa em quase nada lembra uma igreja. Mas as janelas e portas, que foram mantidas, denunciam a sua origem religiosa. Aproveite o fim de semana para passear pela fotogaleria com imagens dessa residência repaginada. Se acha interessante a ideia de morar em uma igreja, dê uma conferida no site Church Realty. Lá, você pode encontrar uma boa oferta.

Mais de 1.800 paróquias católicas EUA fecharam desde 1990.

Já aflorou até uma liquidação de venda de igrejas protestantes, na página http://www.property.org.uk/unique/ch…. é possível ver várias. Algumas já foram convertidas em residências particulares ou hotéis.

Na Suécia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Alemanha e Holanda, dezenas de templos protestantes, foram convertidos em bancos, supermercados, museus e repúblicas estudantis em razão da perda de fiéis e dos escassos meios econômicos.

Já as confissões alemãs precisam de dinheiro para manter sua burocracia; no entanto, este dinheiro torna-se escasso em razão da diminuição de fiéis e paralisação econômica, fatores que repercutem no chamado imposto religioso, isto é, uma quantidade que o Estado retira dos cidadãos e repassa para a igreja a que pertence cada contribuinte. Por isso, os pastores têm optado pela venda dos templos. Na Alemanha, berço do protestantismo, 50% dos alemães já não crêem em Deus.