Já sendo a maior operadora do mundo “offshore” por contagem de sondas, a Petrobras está preparada para aumentar significativamente a sua frota de sondas de perfuração nesta década. Como um enorme potencial em águas profundas se encontra na camada pré-sal nas Bacias de Campos e Santos, na costa do Brasil, a NOC brasileira pretende saciar a sua exigência de plataformas em águas profundas através de novas construções.

O CRESCIMENTO DA FROTA

Atualmente, a Petrobras possui 50 sondas sob contrato de trabalho, tornando-se o maior operador de plataformas offshore no mundo, pela contagem de sondas ativas offshore. Na verdade, a frota de ativos da Petrobras é de quase 40% maior do que o segundo maior operador de equipamento, a ONGC. Comparando as majors, a Shell possui 18 sondas contratadas existentes e implantadas,a Chevron possui 19, a ExxonMobil tem 11 plataformas, e a BP possui 10.

Das 50 plataformas, 35 são semi-submersíveis, 10 são perfuradoras, e cinco são jackups. Todas, com exceção de três plataformas, estão trabalhando no Brasil. Uma sonda foi contratada para trabalhar fora da África Ocidental, uma sonda foi contratada para trabalhar no estado de Maharashtra, uma semi-submersível está trabalhando no Mar Negro.

Os dayrate (aluguél diário) médios, para toda a frota da Petrobras, é de aproximadamente 275.000 dólares / dia. Discriminados por tipo de equipamento, as semi-submersíveis têm média de $ 270.000, as perfuradoras têm média perto de 300.000 dólares / dia, e das que têm suas taxas divulgadas das jackup , a média está abaixo de $ 100.000 . Além das 50 sondas a NOC tem atualmente contratos de outras seis plataformas para águas ultra profundas, que estão programados para iniciar ou retomar este ano, incluindo os contratos recentemente concedidos para a Ocean Valor e a Ocean Baroness.

As unidades de águas profundas e ultra-profundas compreendem cerca de 50% da frota da NOC. A Petrobras tem demonstrado historicamente uma aversão a pagar dayrates  de plataformas para águas profundas e em vez disto, empregou uma estratégia de contratação de plataformas baseada na oferta de longo prazo, com dayrates descontados. Além disso, as estruturas dos contratos da NOC freqüentemente incluem um componente de desempenho (entre 5-15% de compensação), resultando em menor dayrates (mais, e obviamente, num pagamento maior)  . No gráfico abaixo, é evidente que a estratégia da empresa tenha funcionado e o dayrate que a Petrobras está pagando para suas unidades em águas profundas é bem inferior ao de outros grandes usuários em águas profundas. Observe-se que a Total, que está pagando a maior média dos dayrates abaixo descritos, tem uma frota de mais peso para equipamentos ultra-profundos do que as outras empresas que aí aparecem.

Embora a Petrobras tenha tido sucesso na contratação de sondas com dayrates abaixo do preço do mercado, a NOC não foi capaz de evitar o aumento do dayrate criado por uma disponibilidade limitada de plataformas de águas profundas, perto do pico do mercado durante o último ciclo. No início de 2008, a NOC contratou três ultra- plataformas da Seadrill  para águas profundas com dayrates acima de US $ 600.000. O West Eminence e West Orion foram adjudicados com contratos de seis anos com dayrates na escala $ 610 – $ 620.000. O outro contrato foi para a West Taurus, que agora comanda a maior dayrate da frota da Petrobras. O West Taurus Brasil está fora de perfuração com uma taxa de US $ 640.000 . O contrato de longo prazo iniciado em fevereiro de 2009, está programado para terminar em fevereiro de 2015. Ao mesmo tempo, estas adjudicações firmemente colocaram os dayrates acima dos US $ 600.000 por dia. No entanto, dayrates de plataformas semelhantes no mercado foram posteriormente barateados, ficando entre $ 400 – $ 500.000 hoje.

West Taurus Ultra-Deepwater Rig

A Petrobras planeja agressivamente para o futuro. Olhando para os próximos cinco anos, o operador tem um número crescente de equipamentos já contratados (mesmo se nenhum dos seus atuais contratos forem renovados no vencimento). Assumindo que não acontecerão quaisquer renovações, em março de 2011, a Petrobras possuirá 59 plataformas contratadas, seguido por 65 plataformas em março 2012, e 69 plataformas em 2013.

Grande parte do crescimento acima referido é centrado em torno de ambições recentes da NOC. Para mitigar o risco associado à dependência do equipamento existente, para satisfazer as suas necessidades de exploração e desenvolvimento, a Petrobras tem baseado seus planos de crescimento da frota em torno de novas construções. Com base em dados da RigLogix, a Petrobras tem contratos atualmente em vigor para 22 sondas novas, a maioria dos quais são para águas profundas. Alguns dos empreiteiros destes equipamentos incluem a Odebrecht, Delba Perforadora Internacional SA, Etesco e Schahin.

Como NOC brasileira, a Petrobras tem procurado estimular a economia local utilizando exigências de conteúdo local, para apoiar os contratantes localizados no Brasil. Além dos 22 novos que a NOC tem sob contrato, mais 28 anúncios de construção deverão ser feitos nos próximos meses. A NOC tornou um objetivo primordial a construção de plataformas no Brasil, e estabeleceu estaleiros, tais como a Jurong e Keppel, que estão trabalhando com a Petrobras para acomodar este requisito.

Aos interessados recomendamos a leitura do artigo integral que se encontra em:
http://www.rigzone.com/news/article.asp?a_id=89483

Anúncios