Quando você achava que determinados chineses não podiam mais impressionar ninguém eis que surgem notícias de pílulas contendo carne humana sendo contrabandeadas para a Coreia do Sul. Achou pouco? A carne é proveniente de fetos e bebês natimortos.

Esta não é a primeira vez que estas pílulas são apreendidas pelo governo sul coreano. Reclamações feitas à China levaram o governo a conduzir uma investigação em agosto do ano passado. O porta-voz do Ministério da Saúde, Deng Haihua, afirmou que nenhuma prova foi encontrada de que estas pílulas estavam sendo fabricadas. Ele disse que uma nova investigação seria feita.

O processo de fabricação destes remédios consiste em picar o corpo destas crianças em pequenos pedaços. A carne depois é desidratada em estufas e transformada em pó. O governo da Coreia do Sul já fez 35 apreensões deste tipo de contrabando, onde 17.450 cápsulas deixaram de chegar ao mercado. Se chegassem ao seu destino seriam vendidas por um valor entre 40.000 e 50.000 wons cada uma (de 68 a 85 Reais).

A crença de que engolir pedaços de crianças pequenas pode curar doenças ou dar grande força física levou a venda destes medicamentos como uma espécie de panaceia. Além da cura existem aqueles que procuram as capsulas para ganhar vigor sexual. A Coreia do Sul tenta impedir a chegada deste medicamento reforçando a fiscalização, pois vários vinham escondidos juntos com medicamentos legais, e realizando um maior controle nos voos provenientes de “certas regiões chinesas”. Achei a ideia completamente absurda, mas a crença em remédios milagrosos levam pessoas a perderem a noção de civilidade. Será que a moda pega no Brasil?

O livro Viagens e Aventuras no Brasil, de Hans Staden, foi publicado em 1557, Marburgo, Alemanha. Ele descreve seu cativeiro e vida cotidiana dos índios tupinambás. Staden escapou com vida talvez porque os indígenas o consideraram covarde demais ao implorar por sua vida.

Porém, na Europa, médicos e farmacêuticos acreditavam plenamente na energia mágica que, segundo eles, emanava dos corpos recém-executados. Acreditava-se que o vínculo entre a alma e o corpo se dissolvia num prazo de 3 a 4 dias. Portanto, o canibalismo medicinal era praticado. Dizem que quando o papa Inocêncio VIII estava à beira da morte, em 1492, os médicos teriam sangrado 3 meninos para tentar salvá-lo. A morte dos meninos não salvou o Santo Padre.

A primeira ilha do Pacífico que os missionários se estabeleceram foi o Tahiti. O canibalismo era praticado e resistia às influências cristãs. Porem, em 1819, o rei foi batizado numa igreja enorme que ele próprio construíra, na presença de 4 mil súditos. Em 1838, a Bíblia foi publicada em tahitiano. Samoa e Tonga receberam o Evangelho por volta de 1830. No Hawai, nos anos 1838 a 1841, mais de 20 mil pessoas, de uma população de 100 mil, entraram na igreja.