Shavuot, ou Festa das Semanas ou Pentecostes, era a segunda Convocação do povo de Israel. Era uma dedicação dos primeiros frutos da colheita dos cereais, especialmente o trigo.

Para tanto, os povos antigos dependiam de estações estáveis, isto é, chuvas moderadas e estiagem apropriada. Essa relação sincronizada garantia uma colheita abundante. Os povos cananitas adoravam Baal e sua mitologia enganosa. Seus sacerdotes sacrificavam até seres humanos para evocar chuvas regradas.

Shavuot foi o tempo da receção da Torá. O povo de Israel peregrinou pelo deserto, preparando uma nova geração que iria conquistar e tomar posse de Canaã que estava prometida à Abraão e sua descedência.

Deus respondeu à oração de Salomão, conforme descrito em II Crônicas 7:14: “… e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.”

O Brasil precisa se entregar ao Deus Criador que fez os céus e a terra. Em dias de mudanças climáticas, assistimos seca contínua no Sul e no Nordeste. A teoria do Aquecimento Global começa a ruir e o temor de uma nova era de resfriamento começa a surgir. Especialistas concordam que um Esfriamento da Terra prolongaria o tempo de estiagem e concentraria as chuvas com alagamentos.