Robert Bucholz escreveu em A History of the Modern Western World:

Na Europa do séc. 13, os judeus e outras minorias eram considerados cidadãos de 2ª classe quando não perseguidos ou expulsos;
Foram expulsos da Inglaterra em 1290 e da França em 1306. Quando a Espanha foi unificada, muitos foram para Portugal, mas D. Manuel I forçou a conversão em 1497. A gloriosa exceção ficou pela Polônia.
A partir de 1295, a igreja Católica Romana decretou que os judeus deveriam vestir sacos como sinal de humilhação pela opção de não conversão ao Cristianismo;
Eles eram proibidos de empregar cristãos e de comparecer em festas religiosas;

Enquanto isso, no séc. 13, a China possuía a mais sofisticada agricultura do mundo, rivalizada apenas pela Índia. Em 7 anos, a China poderia estocar 30 milhões de grãos, o que daria para alimentar 100 mil homens durante 5 anos.
O infortúnio dos chineses foi que, tendo liderado por muito tempo em muitos ramos da tecnologia, eles foram quentes e frios, criativos e letárgicos, na técnica que provou ser o portão de entrada para o futuro: eles fracassaram no mar. É verdade que inventaram a bússola, mas não o desejo persistente de navegar para o desconhecido.
Para os navegadores chineses, em 1492, o corolário dessa idéia era que, navegando para o leste, eles acabariam chegando à Europa Ocidental… Mas eles não acreditavam que a Terra fosse redonda.

No início do séc. 16, menos de 5% da população da Europa era urbana: A maior cidade era Constantinopla com 400 mil hab.; Paris tinha cerca de 200 mil, seguida de Veneza e Nápoles com 100 mil hab.; As populações de Londres, Madri, Amsterdã, Moscou, Roma e Florença eram aproximadamente 50 mil.

Goffrey Blainey em Uma Breve Historia do Mundo destaca que após chegar à Europa, em 1348, a Peste Negra se espalhou rapidamente. Algumas cidades – Paris, Hamburgo, Florença, Veneza – perderam metade de sua população ou mais. Os vilarejos tinham mais chance de escapar da infecção. Ela se espalhava lentamente no inverno e rapidamente no verão. No total, talvez 20 milhões de europeus tenham morrido, ou uma em cada três pessoas.

 A técnica de impressão sobre papel foi uma revolução social. a Europa estava pronta para ela e ansiosa por usá-la e melhorá-la, pois o fim do século 15 foi a época de seu despertar intelectual. A imprensa acelerou esse despertar.   nO desejo urgente de espalhar uma mensagem religiosa, primeiro para o budismo na China e depois para o cristianismo na Europa, havia sido um impulsionador significativo para a invenção e a utilização da imprensa. O Islã, no entanto, não tinha tempo para a nova invenção e, na verdade, evitou a imprensa até o século 19.

Em 31 de outubro de 1517, Lutero afixou suas 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg. Nelas, condenava os abusos do sistema de indulgências. As igrejas luteranas da Alemanha e dos países escandinavos nasceram do trabalho de Lutero. Além disso, sua tradução da Bíblia para o alemão, que em muito contribuiu para padronizar a língua. Ele apostou no uso da imprensa e compôs belos hinos, como “Castelo Forte”.

Zwinglio foi chamado para pastorear em Zurich, em 1519. Em 1526, o Conselho de Zurich decidiu punir com a morte por afogamento todos quantos esposassem os princípios anabatistas.

Calvino nasceu em Noyon, norte da França. Em 1534 foi forçado a abandonar a França após sua conversão seguindo para Basiléia. Tinha ele então 26 anos de idade. Calvino foi ordenado ministro de ensino de Genebra em 1536. Muitas pessoas da Europa e ilhas britânicas lhe pediam conselhos. Suas cartas integram 57 volumes e existem 2000 de seus sermões. Escreveu Institutas dirigida a Francisco I, numa tentativa de defender os protestantes da França.

A Reforma Protestante criou 4 grandes tipos de fé. Três deles (o luterano, o anabatista e o reformado) já foram considerados. O quarto foi a Reforma Anglicana. A igreja oficial da Inglaterra era, em 1648, presbiteriana calvinista.

G/P
Jair
#paracleto
#Missões no Mundo