A idéia do Efeito Mozart surgiu em 1993 na Universidade da Califórnia, em Irvine, com o físico Gordon Shaw e Frances Rauscher, uma expert em desenvolvimento cognitivo. Eles estudaram os efeitos sobre algumas dúzias de estudantes universitários de escutar aos primeiros 10 minutos da Sonata Para Dois Pianos em Ré Maior (K.448) de Mozart. Eles encontraram um melhoramento temporário do raciocínio espaço-temporal, conforme medido pelo teste Stanford-Binet de QI. Uma pesquisa realizada em 1993 marcou profundamente o que se pensa hoje sobre o ensino de música.

Um doutorando de Harvard, Samuel Mehr e seus colegas revisitaram os estudos que surgiram após a teoria do efeito Mozart ser lançada. Para sua surpresa, eles descobriram que apenas cinco de fato analisaram amostras aleatórias e controladas de crianças para medir o efeito das aulas de música em sua cognição. E dessas pesquisas, só uma mostrou um efeito inequivocamente positivo das aulas, mas ainda assim muito pequeno para ser estatisticamente relevante – o aumento nos níveis de QI, nesse caso, foi de 2,7%.


O sociólogo Thomas Blank, da Universidade de Münster, sugere a pais educadores que ofereçam bastante música a seus filhos e alunos. Uma pesquisa realizada com 500 crianças abaixo de 6 anos de idade mostrou que, quanto mais elas cantam, maior é sua capacidade de aprendizado escolar. “Elas podem se expressar melhor, conseguem se colocar melhor na posição dos outros e são com menor frequência vítimas de gripes ou resfriados”, cita Blank.

Cantar alia a lógica ao sentimento

O resultado das pesquisas não surpreende o sociólogo. “Entre o segundo e o sexto anos de vida, a ligação entre o lado esquerdo e o direito do cérebro, ou seja, a ligação entre a lógica e o sentimento, pode ser muito bem aperfeiçoada. E é exatamente isso que acontece quando se canta”, acentua Blank.

A afinação, nesse caso, não importa. Pelo contrário. O cantar deve ser isento de qualquer pressão pela perfeição, aconselha o especialista. “As crianças precisam ter prazer cantando e têm que poder experimentar”, diz ele. Pois a música é algo saudável. “Cantar diminui o estresse e a agressão, além de fortalecer o espírito coletivo”, conclui Blank. Ou seja, torna o ser humano simplesmente um pouco mais feliz.

Anúncios