Onde seria localizado o Campo de Dura. Obermeyer sugeriu que tal localidade ficava perto de nahr Dura, um pequeno afluente do Eufrates, a uns 10 quilômetros no sul de Babilônia. Contudo a sua tese não é provada. A literatura rabínica (Tamude de Babilônia, Folio 92a) diz que a planície de Dura vai do rio Eshel até Rabbath. É interessante notar que a mesma fonte diz que foi neste lugar que Ezequiel profetizou aos “ossos secos” (Ezequiel 37).

É interessante notar que a palavra “Dura”, em acadiano, a língua de Babilônia, significa muro, parede. Curiosamente, a versão grega do Antigo Testamento, a tradução dos setenta (LXX), traduziu Daniel 3:1 como “na planície do muro, na cidade de Babilônia”. O que temos aqui é o empréstimo de uma palavra de um idioma (acadiano) para outro (aramaico). Como as palavras em inglês do nosso vocabulário: hardware, self-service, web, etc.

Em 626/5 a.C. Nabopolassar torna-se rei do Império Neobabilônico e derrota os Assírios. Em 612 a.C. o Império caldeu invade e toma Nínive, a capital assíria. Segundo Heródoto, na construção dos Jardins Suspensos da Babilônia, Nabucodonosor utilizou betume como impermeabilizante e material de liga (século V a.c.). O petróleo era usado pelos egípcios para embalsamar mortos ilustres e como elemento de liga de suas pirâmides.

É provável que Nabucodonosor tenha assumido as áreas conquistadas dos assírios antecessores. A Bíblia revela em muitos sítios históricos, a presença de combustíveis que os povos antigos tinham como recursos disponíveis e com diversos tipos de utilização. A região em disputa entre os Estado Islâmico e os curdos na região norte da Síria e Iraque revelam o nascimento de uma nação através da luta por sua base de riqueza.

Baba Gurgur (que significa “Pai do Fogo”) é um grande campo de petróleo perto da cidade de Kirkuk, Iraque. O campo foi o primeiro a ser descoberto no país, em 1927. Considerado o maior campo de petróleo do mundo até a descoberta do campo de Ghawar, na Árabia Saudita, em 1948, Baba Gurgur é famoso pelo ‘fogo eterno’ que queima em seus campos de petróleo por aproximadamente 4.000 anos.

Nabucodonosor é conhecido pelos elaborados templos pagãos que ele construiu em Babi-lônia. Não é surpresa que um rei tão completo convidasse todos os funcionários do seu governo para testemunharem a dedicação da impres-sionante imagem de ouro que ele erigiu. Quando olhava com orgulho para a imagem de 27 metros de altura, ele ordenou que todos os presentes se curvassem para adorá-la.

Quando o rei ouviu dizer que três homens tinham desobedecido frontal-mente sua ordem, enfureceu-se. Ele lhes deu uma segunda oportunidade, mas eles ainda não se curvaram à imagem. Quando Nabucodonosor se enfureceu, eles calma-mente replicaram que, quer Deus os salvasse, quer não, eles não serviriam ao falso deus. O rei desafiou a sua fé: “E quem é o deus que vos poderá livrar das minhas mãos?” (Daniel 3:15).

Deus revidou ao desafio de Nabucodonosor com uma demonstração inesquecível do poder Divino que humilhou o poderoso rei da Babilônia. Soldados atiraram os três judeus desobedientes numa fornalha que estava tão quente que esses soldados morreram quando se aproximaram do fogo. Mas, quando Nabuco-donosor olhou na fornalha, viu quatro homens: os três que tinha condenado e um enviado por Deus para proteger estes servos fiéis. Quando Sad-raque, Mesaque e Abede-Nego saíram da fornalha, Nabucodonosor percebeu que Deus tinha respondido ao seu desafio. Ele ordenou que o nome de Jeová fosse respeitado em seu reino, e percebeu que Deus tinha respondido a sua pergunta: “. . . porque não há outro Deus que possa livrar como este” (Daniel 3:29).

O Baba Gurgur já foi descrito tão antigamente quanto Heródoto (484-425 aC), o antigo autor grego, e alguns acreditam que ele seja a fornalha ardente presente no Livro de Daniel, do Antigo Testamento, em que o rei Nabucodonosor (630-562 aC), rei da Babilônia, jogou três judeus por se recusar a adorar o seu ídolo de ouro. As chamas têm um valor simbólico importante para os moradores de Kirkuk. Acreditava-se que o calor das chamas eternas era usado pelos pastores para aquecer seus rebanhos durante o inverno, e as mulheres pediam para terem filhos às chamas do local. Esta antiga prática remonta ao tempo de adoração ao fogo.

As chamas ardentes são o resultado de gás natural e nafta, que escoam através das rochas da área de Baba Gurgur.