No Campeonato de Atletismo na Rússia, vários corredores foram descobertos no exame anti-doping. Qual a solução: liberar as drogas? Claro que não. Diante de mais uma acusação de dopagem de atletas, a Federação Alemã de Futebol negou as acusações de doping de vários dos jogadores da Alemanha Ocidental durante a Copa do Mundo de 1966, após a divulgação de relatórios sobre o uso de anabolizantes e outras substâncias por atletas do país na época.

O ex-jogador de futebol Franz Beckenbauer aumentou a polêmica sobre o uso de doping no futebol alemão. Em entrevista ao canal público de TV “ZDF”, o “Kaiser” admitiu que tomava “injeções de vitaminas” quando era atleta. Beckenbauer fez parte da seleção alemã que conquistou a Copa do Mundo de futebol em 1974 e a Eurocopa de 1972. Na última semana, os êxitos da equipe nacional foram colocados em xeque por um estudo da universidade de Colônia.

Intitulada “Doping na Alemanha de 1959 até hoje”, a pesquisa apontou a existência de um esquema de dopagem em massa, com apoio estatal, na antiga Alemanha Ocidental. No relatório é citada uma notificação do então funcionário da Fifa Mihailo Andrejevic em que é constatada a existência de “finas mostras” de efedrina em três jogadores da seleção alemã durante a Copa de 1966.

Doping didn't prevent the controversial 'Wembley goal' by England against Germany. Ainda de acordo com a pesquisa, três jogadores da Alemanha que foi vice-campeã da Copa do Mundo de 1966 consumiram efedrina. Questionado sobre o tema na “ZDF”, Beckenbauer disse inicialmente que nunca, em 20 anos como profissional, tomou uma injeção sem saber o que havia dentro. Depois, porém, o ex-atleta mudou um pouco o discurso. “Nós tomávamos injeções de vitaminas. O que eu sei é que o médico nos dizia que eram injeções de vitaminas”, declarou Beckenbauer.

A publicação do estudo da universidade de Colônia, na semana passada, colocou o doping no centro dos assuntos mais comentados no futebol alemão. Sobretudo porque a Bundesliga também discute como aumentar o controle a partir da temporada 2013/2014.

Nessa edição da competição nacional, a DFB, entidade que comanda o futebol na Alemanha, começará a usar exames de sangue para aprimorar o controle de doping. As avaliações serão conduzidas pela Agência Nacional Antidoping. “Essa decisão já havia sido tomada antes dos últimos eventos, mas é um bom sinal”, classificou Wolfgang Niersbach, presidente da DFB, em comunicado oficial.

Anúncios