Acrescentando um novo capítulo à pesquisa que fez com que o termo “seis graus de separação” se tornasse corrente, cientistas do Facebook e da Universidade de Milão reportaram que o número de conhecidos que separam duas pessoas quaisquer no planeta não era de seis, mas de 4,74.

A constatação original quanto aos “seis graus”, publicada em 1967 pelo psicólogo Stanley Milgram, foi estabelecida por meio de um estudo entre 296 voluntários, convidados a enviar uma mensagem por cartão postal, retransmitida por amigos e amigos de amigos, a uma determinada pessoa em um subúrbio de Boston.

A nova pesquisa utiliza um universo um pouquinho maior de participantes: os 721 milhões de usuários do Facebook, equivalentes a mais de um décimo da população mundial. Os resultados foram postados no site do Facebook na noite de domingo. A experiência levou um mês. Os pesquisadores utilizaram um conjunto de algoritmos desenvolvido pela Universidade de Milão a fim de calcular a distância média entre duas
pessoas quaisquer pelo cômputo de um vasto número de percursos alternativos entre usuários do Facebook. E constataram que o número médio de conexões entre uma e outra pessoa arbitrariamente selecionadas era de 4,74. Nos Estados Unidos, onde mais de metade da população com idade superior a 13 anos participa do Facebook, a média era de apenas 4,37 conexões.

A expressão de 6 graus de separação remonta de 1914, a partir de um conto de Frigyes Karinthy na Hungria deu origem à idéia dos seis graus
de separação: no conto, um personagem aposta – e ganha – que pode estabelecer uma relação entre si próprio e qualquer pessoa no mundo, por meio de cinco conhecidos intermediários.

Jon Kleinberg, professor de ciência da computação na Universidade Cornell e orientador acadêmico de um dos realizadores do novo estudo, disse que algumas conexões podem significar mais que outras. “Estamos próximos, em certo sentido, de pessoas que não necessariamente gostam de
nós, simpatizam conosco ou têm muito em comum conosco”, disse Kleinberg. “São esses elos fracos que tornam o mundo pequeno.” Ainda assim, ele aponta que a existência desses elos de forma alguma deveria ser considerada como insignificante. “As notícias se espalham bem por meio de elos fracos.

O estudo do Facebook, intitulado “Four Degrees of Separation” (quatro graus de separação), lembra que Milgram extraiu conclusões tanto otimistas quanto pessimistas de suas constatações. Por um lado, há a ideia de que atingir alguém do outro lado do mundo requer apenas um
pequeno número de conexões sociais. Por outro, disse Milgram, o resultado pode ser prova de distanciamento psicológico, prova de que estamos na realidade a cinco “mundos de distância” uns dos outros.

Anúncios