Cientistas internacionais que tentam identificar o bóson de Higgs, o maior enigma da física moderna, indicaram que a evidência da existência desta partícula elementar, também conhecida como a “partícula de Deus” e que supostamente concede massa aos objetos, está cada vez mais tênue.
Neste momento, não vemos qualquer evidência do bóson de Higgs na região de baixa massa na qual é provável que esteja“, afirmou na segunda-feira o físico Howard Gordon, vice-diretor do programa de operações americano Experimento ATLAS. O Experimento ATLAS é um dos cinco detectores de partículas (junto a ALICE, CMS, TOTEM e LHCb) no Grande Colisor de Hádrons (LHC), o novo acelerador de partículas do Conselho Europeu para a Pesquisa Nuclear (CERN) na Suíça.

O Grande Colisor de Hádrons (LHC), acelerador de partículas Máquina do Big Bang começa a funcionar
O LHC é conhecido como a Máquina do Big Bang porque tentará recriar as condições existentes frações de segundo depois do Big Bang. Este é o detector Atlas, um dos vários experimentos científicos que coletam os dados das colisões de partículas.
O Grande Colisor de Hádrons (LHC), acelerador de partículas
Em julho, os físicos anunciaram em uma conferência europeia que um dos experimentos do LHC havia resultado em provas promissoras sobre a presença do bóson de Higgs, num momento em que a busca para identificar esta partícula entrava na reta final, com resultados esperados para o final de 2012. Caso exista, o bóson de Higgs, às vezes descrito como a “partícula de Deus” porque é um mistério e, ao mesmo tempo, uma potente força da natureza, representa a última peça do Modelo Padrão da Física.
Gordon disse à AFP que os indícios de julho, que já eram pouco significativos, agora “são ainda menos significativos”. No entanto, os físicos não estão dispostos a descartar a possibilidade de que o bóson de Higgs exista, e o acelerador de partículas ainda deve examinar uma grande quantidade de dados na frequência baixa do espectro.
“Creio que sempre foi uma possibilidade que o bóson de Higgs não exista, mas não creio que estejamos prontos para afirmar isso neste momento“, afirmou. Uma declaração que resume os dados mais recentes, foi difundida numa conferência em Mumbai, na Índia, indicando que os experimentos “ATLAS e CMS excluíam com uma certeza de 95% a existência de um bóson de Higgs na maior parte da região de massa 145 a 466 GeV”.
O diretor de pesquisas do CERN, Sergio Bertolucci, disse que os cientistas esperam saber mais sobre a existência dessa partícula elementar no próximo ano. “Se o bóson de Higgs existe, os experimentos do LHC logo o encontrarão. Se os experimentos não o encontrarem, sua ausência indicará o caminho de uma nova física“, explicou Bertolucci.
O LHC, situado perto de Genebra, Suíça, foi criado para fazer a aceleração dos prótons quase na velocidade da luz e depois destruí-los em laboratórios onde os detectores registram seus agitados restos subatômicos. O processo alcança temperaturas 100 mil vezes mais altas que as do Sol, emulando fugazmente as condições que prevaleceram nas frações de segundo depois do “Big Bang”, que criou o Universo há 13,7 bilhões de anos.
“Seja qual for o veredicto final sobre o bóson de Higgs, estamos vivendo tempos muito emocionantes para todos os envolvidos na busca de uma nova física”, concluiu o porta-voz do CMS, Guido Tonelli. O CERN e a discussão sobre a “partícula de Deus” foram recentemente tema da trama do livro “Anjos e Demônios”, de Dan Brown, posteriormente levado ao cinema.

Por outro lado, Dr. Marcos Vilar Suassuna, conceituado médico pediatra do Recife, paraibano, no seu livro “O Bíon, a Quinta Força e Eu”, publicado pela Editora Universitária da Universidade Federal de Pernambuco, em 1992, portanto quase uma década antes da aparição do Bóson, afirmou, ao tratar da evolução das espécies, existir um fenômeno de mutações coletivas e não em um só indivíduo, resultado de uma grande alteração cósmica, com a chegada de enormes quantidades de partículas, as quais denominou de Bíons, causando aristogênese e megamutações em todas as espécies, sendo essa a principal razão do início súbito do Homo sapiens na face da terra, há muito mais tempo do que os cientistas imaginavam anteriormente (a prova disso foi o crânio de um hominídeo, com 7 milhões de anos, encontrado recentemente no norte da África, batizado de Sahelanthropus tchadensis e apelidado Toumai). Segundo Dr. Marcos, que não fez uso de aceleradores de partículas, a Biologia está repleta de fatos maravilhosos, sendo o homem o singularíssimo resultado de um plano cuidadosamente elaborado e seu futuro está cheio de belas e novas possibilidades, pois continuará a evoluir, regido pela força dos Bíons.