As estatísticas do Ministério da Previdência e Assistência Social mostram que em 2004 foram registrados 28.875; em 2005, 29.228; em 2006, 29.054; em 2007, 37.394 e; em 2008, as últimas publicadas, 49.191. Esses números disparam um alerta, pois evidenciam o não cumprimento da NR- 18 e a exposição dos trabalhadores aos inúmeros riscos inerentes aos canteiros, sem falar na sobrecarga horária em função dos prazos reduzidos para a entrega das obras.

Gráfico Tendência dos Acidentes

Estamos criando um exército de inválidos, com um custo altíssimo para o Estado e para as famílias dessas pessoas”, diz Rubens Curado, gestor nacional do programa Trabalho Seguro, do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A situação levou o TST a eleger a construção civil como tema deste ano do programa Trabalho Seguro, que visa aumentar a conscientização de trabalhadores e empresas sobre a necessidade de adotar medidas para evitar os acidentes.

 

Acidentes na construção civil
Ano Número de acidentes Número de mortos
2009 55.670 407
2010 54.664 438
Fonte: Ministério da Previdência

 

A construção civil foi responsável por 56.433 acidentes em 2010, número considerado “irracional” por Curado e equivalente a 8% do total verificado no país envolvendo trabalhadores (701.496). Para Curado, o governo precisa adotar ações urgentes para reverter esse quadro. Uma delas seria investir na inclusão, nas escolas, de disciplinas que ensinem as crianças a evitar acidentes.

 

Boom de obras
O vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, avalia que a alta no investimento na construção civil nos últimos anos – no setor imobiliário e em infraestrutura –, teve impacto também nos acidentes e mortes verificadas no setor. “O país não estava preparado com profissionais qualificados para o boom de obras que vimos nos últimos anos”, disse ele.

 

Segundo Ishikawa, o número de trabalhadores formais no setor aumentou de 1,5 milhão para 3,5 milhões entre 2006 e 2012, sem que houvesse aumento proporcional no número de acidentes e mortes.

 

Somente em 2007 foram registrados 2,8 mil mortes por acidentes de trabalho em todo o Brasil, sao quase oito mortes diárias.  Esse crescimento no número de acidentes de trabalho foi verificado em todos os setores econômicos e, em 2007, sofreu influencia dos acidentes sem Comunicaçoes de Acidentes de Trabalho (CAT), registrados por meio do nexo técnico epidemiológico.  Segundo dados do governo federal os acidentes e doenças do trabalho custam, anualmente, R$ 10,7 bilhoes aos cofres da Previdencia Social, através do pagamento do auxílio-doença, auxílio-acidente e aposentadorias.
Gráfico Tendência das Doenças OcupacionaisEm todo o país, 438 trabalhadores da construção civil morreram em acidentes de trabalho em 2010 (dado mais recente disponível). O setor foi o terceiro que mais matou – a indústria de transformação, que perdeu 648 vidas, está em primeiro lugar. Ao todo, foram 2.712 mortes por acidente de trabalho naquele ano, segundo dados da Previdência.

Anúncios