O Profeta Gentileza tornou-se conhecido a partir da década de 80 justamente por fazer “inscrições peculiares” sob o Viaduto do Caju no Rio de Janeiro, onde andava com uma túnica branca e longa barba. Escolheu 56 pilastras do Viaduto, que vai do Cemitério do Caju até a Rodoviária Novo Rio, numa extensão de aproximadamente 1,5 km. Em todas elas ele escreveu, em verde e amarelo suas propostas e críticas sobre a sociedade.

No dia 17 de dezembro de 1961, na cidade de Niterói, houve um grande incêndio no circo “Gran Circus Norte-Americano”, no que foi chamado de Tragédia do Gran Circus Norte-Americano e que foi considerado uma das maiores fatalidades em todo mundo circense. Neste incêndio morreram mais de 500 pessoas, a maioria, crianças. Na antevéspera do Natal, seis dias após o acontecimento, José acordou alegando ter ouvido “vozes astrais”, segundo suas próprias palavras, que o mandavam abandonar o mundo material e se dedicar apenas ao mundo espiritual. O Profeta pegou um de seus caminhões e foi para o local do incêndio. Plantou jardim e horta sobre as cinzas do circo em Niterói, local que um dia foi palco de tantas alegrias, mas também de muita tristeza. Aquela foi sua morada por quatro anos. Lá, José Datrino incutiu nas pessoas o real sentido das palavras Agradecido e Gentileza. Foi um consolador voluntário, que confortou os familiares das vítimas da tragédia com suas palavras de bondade. Daquele dia em diante, passou a se chamar “José Agradecido“, ou simplesmente “Profeta Gentileza

Durante a Eco-92, evento de meio ambiente mais importante daquela década e realizada na capital fluminense, o Profeta Gentileza posicionava-se  em lugares por onde passariam os representantes de cada país para provocar neles alguma reação sobre os temas que defendia.

Veja a pilastra censurada, não restaurada, sequer numerada, na primeira reforma de 1999:

Clique no mapa e note uma pilastra sem número (s/n) com a referência “escrito de carnaval”: