Vários imãs –autoridades religiosas– da Malásia consideraram nesta quarta-feira que os muçulmanos não deveriam vestir a camisa do Brasil, assim como as de outras seleções e clubes, porque nela é exibida a cruz cristã, algo contrário aos ensinamentos da religião islâmica.

Segundo os religiosos, também deveriam ser proibidas as camisas de Portugal, Sérvia, Noruega e Barcelona pelo mesmo motivo.

Outra camisa condenada é a do Manchester United, por causa do “diabo vermelho”, símbolo do clube inglês, que tem seus jogadores chamados de “Red Devils”.

“É muito perigoso. Somos muçulmanos e não deveríamos idolatrar os símbolos de outras religiões ou do diabo”, disse Nooh Gadot, um imã influente do estado de Johor, sul da Malásia.

“É algo que desequilibra a nossa fé. Como muçulmanos não há razão alguma para usarmos estas camisas, mesmo que isso seja feito por razões esportivas ou estéticas”, acrescentou Gadot, membro do conselho religioso do estado de Johor.

“Mesmo que seja um presente, temos que rejeitá-lo”, disse o imã, que confirmou, no entanto, que não existe uma ‘fatwa’ (espécie de lei) contra as pessoas que vestem estas camisas.

Harussani Zakaria, outro imã do estado de Perak, no norte do país, tem a mesma opinião.

“Me parece evidente que o Islã não autoriza o uso deste tipo de roupa. Os diabos são nossos inimigos. Para que então exibirmos sua imagem ou fazermos publicidade?”, disse à AFP, referindo-se ao uso das camisas do clube inglês.