DIAKONOS vem de uma palavra composta grega, que significa ‘fazer a poeira subir’. … A imagem [é] de alguém que está se movendo tão rapidamente … para cumprir suas obrigações, que seus pés, quando ele passa, fazem a poeira levantar e rodopiar. Havia tanto para os diáconos fazerem que eles não podiam parar, nem conversar besteira, nem demorar-se. Eles ocupavam-se de seus ministérios com tal diligência que levantavam a poeira; assim, aqueles chamados a este ministério eram chamados ‘aqueles que fazem a poeira rodopiar’, isto é, diáconos.” (J. Dwight Pentecost, “The Joy of Living”, pág. 114).

O apóstolo Paulo usa diakonos 21 vezes em 19 versículos em 8 epístolas:
• 2 vezes refere-se à autoridades seculares. Ex.: Rom 13:4;
• 10 vezes refere-se a ele mesmo e seus colaboradores. Ex.: I Cor 3:5, Efe 3:7;
• Em 3 vezes, diakonos refere-se a um ofício Ex.: Fil 1:1, I Tim 3:8,12;
• Diakonos é usado em 2 vezes para descrever Cristo. Rom 15:8, Gal 2:17;
• Também se refere aos servos de Satanás. Ex.: II Cor 11:15.

Robert Naylor, diretor do Seminário Batista do Sudoeste dos EUA, em seu livro O DIÁCONO NA BÍBLIA, lembra que “…durante séculos a Igreja de Roma continuou a limitar a sete o número de diáconos. Uma lei canônica promulgada por um dos Concílios de Cesaréia (314 d.C.) decretou que ‘devia haver apenas sete diáconos em cada cidade'”.

Derek Gentle, em A Study in the Biblical Role of Deacons, relata o entendimento dos reformadores Lutero e Calvino a respeito do ofício diaconal:
Martinho Lutero: “O diaconato é um ministério, não para exposição do Evangelho ou Epístolas, como é a prática atual, mas para distribuição de doações da igreja aos pobres”
João Calvino: “A Escritura especificamente designa como diácono aquele quem a igreja comissiona para distribuir donativos e para cuidar do pobre, e preparar as cestas para os pobres”

• O oficio diaconal deve atender todas as necessidades da igreja local, liberando os apóstolos e demais ministérios ligados ao ensino e pregação da Palavra. Este foi o objetivo da escolha dos 7 líderes gregos na igreja de Jerusalém: atenuar a tensão entre a comunidade grega e judia dentro da igreja cristã. Parece que foram bem-sucedidos.
• O ofício diaconal deve buscar auxiliar a expansão do Reino de Deus. Aqueles líderes gregos tinham dons espirituais que os capacitou a levar o Evangelho para as regiões fora Jerusalém (Atos 8:1): “todos foram dispersos pelas terras da Judéia e da Samaria, exceto os apóstolos.” Em Atos 11:19, registra-se que Filipe e os outros obreiros gregos caminharam até a Fenícia, Chipre e Antioquia. Talvez Nicolau, prosélito de Antioquia, tenha convencido o grupo para estabelecer a igreja de Antioquia. Atendendo à palavra profética de Agabo, enviaram uma oferta aos presbíteros por mãos de Barnabé e Paulo (Atos 11:30).
• O oficio diaconal foi estabelecido nas igrejas conforme seu crescimento numérico, a troca de experiências entre elas e o modelo organizacional necessário. Isso pode explicar a forte predominância de referencias aos pastores nas cartas de Paulo e nos Atos dos apóstolos escrito por Lucas. Na parte final da carta aos Romanos, Paulo recomenda a diaconisa Febe, oriunda da igreja de Cencreia, para a igreja de Roma.
• O ofício diaconal limitou-se, por razões históricas, às funções administrativas e de auxílio aos pobres. A interpretação restrita de Atos 6 e a hierarquização da igreja contribuíram para esta limitação de atividades. Algumas igrejas criaram a junta diaconal para assuntos administrativos. Outras adotaram o modelo presbiteriano através da distinção das funções: pastor e presbítero.
• O ofício diaconal necessita de critérios definidos para os futuros líderes. As cartas de Paulo à Timóteo e Tito estabeleceram algumas qualidades essenciais para a escolha desses líderes. Muitos estudiosos notaram coincidências com os pré-requisitos para pastores, o que indicaria uma possível migração do oficio diaconal para o pastoral conforme as necessidades e o desenvolvimento das habilidades.

#paracleto
#Missão integral

G/P
Jair