Segundo o pastor Gary Haynes cerca de 25% a 30% dos textos bíblicos têm caráter profético. Muitas delas foram dirigidas e se cumpriram completamente durante a vida dos profetas. Algumas profecias foram cumpridas em Israel ou em outras nações algum tempo depois.

Depois de salvos dos egípcios na travessia do mar Vermelho, eles expressaram sua grande alegria com cântico (Ex 15.1-18; Sl 106.22). Mas esse milagre “converteu” a nação? Provocou uma transformação duradoura que os tirasse de uma postura de ignorância e incerteza e lhes confirmasse a fé, culminando numa disposição para servir e obedecer a Deus? Os grandes milagres do êxodo tiveram algum efeito moral permanente sobre a vida deles? Por tudo que sabemos, a resposta é não. A julgar apenas pela história da primeira geração de israelitas, até as experiências espirituais mais intensas não provocam necessariamente efeito sobre a fé ou sobre o comportamento.

Kevin Belmont, em O livro dos milagres, opina que o objetivo do êxodo do povo de Israel após 400 anos de escravidão no Egito, foi criar uma reputação mundial para Deus e, na realização dessa tarefa Moisés foi seu instrumento escolhido.

Quase metade do livro dos reis tem como protagonista os profetas Elias e Eliseu.
Os capítulos que falam de Elias são classificados como o “ciclo de Elias” (1Reis 17 até 2 Reis 1), enquanto que aqueles onde Eliseu é o protagonista, são classificados como pertencentes ao “ciclo de Eliseu (2Reis 2 – 13). Elias aparece então como o defensor da fé no Deus de Israel, como é revelado já pelo seu próprio nome: “o meu Deus é YHWH”.
Elias aparece em 1Reis 17, anunciando a Acabe um período de seca.

No capítulo 2 de 2Reis começa o “ciclo de Eliseu”. Já em 1Reis, Eliseu é ungido, por ordem de YHWH, como sucessor de Elias (19,16). Elias é levado para o céu, num carro de fogo, e Eliseu fica com o manto do profeta, que simboliza que ele é o sucessor de Elias.

1 Kings 17

O evangelista Marcos usa os milagres de Jesus para apresentá-lo como aquele que, por sua palavra soberana, controla a natureza (4.35-41; 6.45-52), confere vida aos mortos (5.21-42), cria a matéria (6.32-44; 8.1-10) e decreta a morte (11.12 e ss., 20-25). Embora, ao contrário de João, ele não chame tais fatos de “sinais”, fica claro que, não menos que João, Marcos os considera indicadores de Jesus como aquele que por sua própria autoridade manifesta poderes exclusivos de Deus.

Cerca de 70 profecias foram dirigidas ao ministério de Jesus. Cumprir tantas profecias é um dos argumentos sobre a Divindade de Jesus.

new-testament-synoptic-healing

Herbert Lockyer, destaca 3 palavras gregas utilizadas no Novo Testamento para descrever em o que chamamos de “milagres”:

  • MARAVILHAS – Terata  Esta palavra indica o estado de espírito produzido nas testemunhas oculares pela visão de milagres. Espanto estava animado em si. O caráter extraordinário do milagre foi observado e mantido na memória. Maravilha é a palavra mais utilizada ( Mark 2:12 ; 04:41 ; 06:51 ; 07:37 . Veja Números 16:30 ; Atos 3:10, 11 ). Para observadores, tal demonstração de poder era contrária à anterior expectativa, de frente para uma lei com a qual eles estavam familiarizados. Tais milagres, no entanto, foram não deve ser considerada apenas como “maravilhas”, produzindo um espanto momentâneo. Atenção tinha de ser dada à sua finalidade e ao seu apelo espiritual interior ( Atos 14: 8-15 ). Como Godet expressa: Os milagres de Jesus não são meros prodígios ( terata ) destinados a atingir a imaginação. Há uma estreita relação entre estes fatos maravilhosos e a pessoa daquele que lhes faz. Eles são emblemas visíveis de que Ele é e o que Ele vem fazer, imagens que brotam como raios do milagre permanente da manifestação de Cristo.
  • SINAIS – Semeion Aqui nós temos uma palavra levando consigo uma referência especial à importância dos milagres como selos pelo qual Deus autenticou o milagreiro si mesmo. Em semeion , a propósito ético do milagre é o mais proeminente. Um milagre foi o de ser encarado como um sinal e indicação da presença de perto e trabalhar de Deus e uma prova da autenticidade da revelação. Os milagres de Cristo foram sinais e promessas de algo mais do que além de si mesmos ( Isaías 07:11 ; 38: 7 ). Como indicamos, eram selos de poder definir a pessoa que realiza o milagre ( Marcos 6:30 ; Atos 14: 3 ; Hebreus 2: 4 ). Eram atos legítimos em que o milagreiro poderia reivindicar para ser aceito como representante de Deus ( I João 2:18 ; II Coríntios 12:12 ). Os “sinais” dados a Saul, Eli, Gideão, e outros não devem ser consideradas como milagres ( I Samuel 10: 1-19 ; Juízes 7: 9-15 ; Lucas 02:12 ). Entrar designa uma prova ou evidência fornecida por um conjunto de fatos para a realidade e genuinidade dos outros “( II Coríntios 0:12 ).
  • PODER – Dunamis Milagres também são “poderes” na medida em que manifestam o poder de Deus, que era inerente no próprio Cristo, “o grande poder de Deus” ( Atos 08:10 ), e que foi feito para nós-poder. Esta palavra aponta para as forças novas e mais elevadas de trabalho neste mundo inferior da nossa ( Hebreus 6: 5 ). Semeion refere-se a causa final de milagres; dunamis , a sua causa eficiente. O plural, “poderes”, é a mesma palavra traduzida como “maravilhosas obras” ( Mateus 07:22 ); «grandes obras” ( Mateus 11:20 ; Marcos 06:14 ; Lucas 10:13 ); e “milagres” ( Atos 2:22 ; 19:11 ; I Coríntios 12:10 , 28 ; Gálatas 3: 5 ). As três palavras consideradas são combinados em um verse- “Jesus, o Nazareno, um homem estabelecido por Deus para você por obras de energia (dunamesin), e maravilhas (terasin) e sinais (semeiois), que Deus por Ele em sua meio deles “( Atos 2:22 ). Outras palavras descritivas de milagres são “obras”, como John frequentemente chama-los ( 05:36 ; 07:21 ; 10:25 , 32 , etc); “grandes coisas” ( Lucas 1:49 ); “coisas gloriosas” ( Lucas 13:17 ); “coisas estranhas” ( Lucas 5:26 ); “coisas maravilhosas” ( Mateus 21:15 ); “coisas maravilhosas” ( Salmo 78:12 ); “maravilhosas obras” ( Salmo 105: 5 ; Isaías 29:14 ).

Muitos escritores e teólogos debatem se os períodos de milagres cessaram após os registros de Atos dos Apóstolos. Uma possível resposta é verificar se o movimento apostólico se encerrou. Temos escrito sobre o movimento episcopal para permitir apenas um bispo em cada cidade e como o rei Constantino aproveitou o surpreendente crescimento dos cristãos no cerne do decadente império romano quando liderou o Concílio de Nicéia em 325 AD.

Parece que os avivamentos sempre surgiram em determinadas regiões conduzidos por alguns grupos cristãos sob determinadas condições econômicas e geográficas: a conquista da Inglaterra pelo bispo Agostinho, conversão dos germânicos por Bonifácio e crescimento dos morávios sob liderança do conde Zinzerdorf. Muitas vezes, avivamentos foram sufocados pois confrontavam o absolutismo de reis e a frieza da igreja majoritária: John Wycliffe, Jan Huss e Pedro Valdo. Mas suas vidas foram milagres que produziram frutos e multiplicaram ações. As Ordens monásticas foram uma reação à riqueza e poder da igreja Romana e renovaram as ações missionárias na Ásia, Américas e África.

O século XVIII foi o século da Holanda que experimentou um conceito de liberdade religiosa jamais praticado. O Avivamento permite que ideias possam fluir, desde a criação da Cia. das Índias Orientais, a construção da maior sinagoga do mundo, o desenvolvimento do arminianismo e o confronto com a poderosa Espanha, subproduto dos Habsburgos.

A Inglaterra apoiou a Holanda, recebeu seus imigrantes e investidores, experimentou o Primeiro grande Avivamento, aboliu a escravidão e trabalho infantil. Centenas de Sociedades científicas prosperaram no Reino Unido e suportaram a Revolução industrial. O Avivamento também impulsionava uma nação para enviar missionários para os limites do Império Britânico.

No livro os 100 Acontecimentos mais importantes da história do Cristianismo, Kenneth Curtis e Stephen Lang, identificam que o homem que uniu os dois Avivamentos (Inglaterra e nas 13 Colônias) foi George Whitefield, ministro anglicano, e amigo de John Wesley, que começou a pregar nos EUA em 1738. Ele não se importava muito com os laços denominacionais, pois só a causa de Cristo era importante para ele.

Charles G. Finney (1792 – 1875), era um advogado convertido em 1821. As suas “novas medidas” de reavivamento incluíam cultos previamente anunciados por distribuição de folhetos, linguagem coloquial na pregação, horários não-padronizados para os cultos, citar nomes de pessoas em orações públicas e nos sermões e o “lugar dos aflitos” no qual as pessoas com dúvidas poderiam ir.

Em 1830, as maiores cidades da Nova Inglaterra solicitavam as campanhas evangelísticas promovidas por Finney. Anteriormente, os evangelistas eram pós-milenistas. Eles criam que poderiam estabelecer o Reino de Deus na Terra. No Segundo Avivamento, Dwight Moody deixou a sua empresa, em 1860, para tornar-se um evangelista abraçou a interpretação dispensacionalista. Sua abordagem evangelística durante a Feira Mundial de Chicago de 1893 foi um efeito do Avivamento.

Após a Guerra Civil, a natureza dos avivamentos mudou. Com Dwight L. Moody e seus encontros bem-sucedidos nas Ilhas Britânicas de 1873 a 1875, o avivamento transformou-se numa evangelização de massas, urbana e profissional, realizada fora do templo, em grandes lugares públicos de reunião. Moody levou à conversão sete aristocratas ingleses, estudantes de Cambridge, entre os quais C.T. Studd que era o Garrincha entre os jogadores de Cricket, esporte popular na Inglaterra.

Parece que os avivamentos continuam até hoje, desde que homens e mulheres se coloquem nas Mãos do Altíssimo. O Vento do Espírito Santos sopra onde quer. Resta saber se o Brasil está pronto para presenciar um avivamento sustentável e transformador. Acho que entendemos que avivamentos trazem sinais e profecias, com certa perda de controle de seus efeitos e uma surpresa estonteante que Deus foi Misericordioso mais uma vez entre os homens.

 

Anúncios