Outro dia, estava assistindo uma vídeo-aula do prof. Luis Wesley, da FTSA. Ele citou um escritor que disse: “… para falarmos de JESUS, muitas vezes é necessário pararmos de falar”. É verdade. Pois a nossa vida deve falar muito mais que nossas palavras.

Além disso, você tem observado um esfriamento das atividades evangelísticas das igrejas? Não parece que estão bastante dependentes do evangelismo de mídia (TV, internet, rádio, etc.)? O evangelismo de relacionamentos, especialmente desenvolvido em pequenos grupos ou células, parece dar bons resultados no momento. O problema é que ajuda a esvaziar algumas atividades da igreja como reuniões de grandes grupos (homens, mulheres, jovens, etc.) e escolas bíblicas.

Missão e evangelismo

Escolas de samba, recebem adoração criativa e coordenada nesses dias.O carnaval é negócio. O carnaval é assunto espiritual. O carnaval é causa e conseqüência moral. O carnaval é o principal evento da cidade do Rio de Janeiro. Deus sabe com quem Ele pode contar nestes dias. Não se pode esconder uma cidade edificada sobre o monte. Assim brilhe a luz da igreja onde ela passa. Temos visto locais de carnaval enfraquecer e fecharem. Temos visto conversões. Temos visto a boa reação da população com a nossa presença. Peter Wagner chama de evangelismo de presença. Paulo lembra que se Deus é por nós quem será contra nós? Deus não faz nada na terra senão através da oração. Qual a razão para Deus deter as águas em São Luiz do Paraitinga se, no ano anterior a permissividade no carnaval foi vergonhosa?
Há 10 anos atrás, as igrejas no Rio de Janeiro fechavam. Hoje a realidade é diferente. Não há tanto medo. Não há tantas desculpas. Não há tantas trevas. Alguns viajam, outros ficam. Há possibilidade de decisão. Na igreja batista do Campo dos Afonsos (RJ), no domingo de carnaval, cerca de 300 crentes estiveram presentes nos dois cultos dominicais, trazendo visitantes de outras igrejas que fecham nestes dias. Sob a direção do apóstolo Joaquim, pastor de nossa igreja, realizamos evangelismo durante os dias de carnaval desde 2001. Utilizamos caminhada de oração com apoio de trio elétrico, teatro próximo aos coretos, abordagem com folhetos específicos, intercessão e celebração ao Senhor Jesus com música e dança. A partir de 2004, nosso bairro não organizou baile de carnaval e os confrontos entre grupos de bate-bolas diminuíram notavelmente.