Hipólito relata que Marcião era filho de um bispo na cidade de Sinope, na província romana do Ponto (atualmente na Turquia). Seu contemporâneo Tertuliano o descreve como um proprietário de barcos. Marcião provavelmente foi consagrado bispo, provavelmente um assistente ou um sufragâneo de seu pai em Sinope.

Quando se encontrou com ele, Policarpo de Esmirna chamou-o de “primogênito de satanás” segundo Jerônimo. Epifânio afirma que após um começo como um asceta, ele seduziu uma virgem e foi excomungado por seu pai, fazendo com que ele deixasse a sua cidade natal. Este relato já foi contestado por estudiosos, que o consideraram como “fofoca maliciosa”. Mais recentemente, Bart D. Ehrman sugeriu que esta “sedução de uma virgem” seria uma metáfora para a sua corrupção da Igreja cristã, sendo esta a virgem não deflorada.

Marcião viajou para Roma em 142-143 d.C. . Nos anos seguintes, Marcião desenvolveu seu sistema teológico e atraiu um grande grupo de seguidores. Ele fez uma notável doação de 200.000 sestércios para a Igreja. O sestércio foi criado por volta de 211 a.C. como uma pequena moeda de prata que valia um-quarto de denário. Ou seja, a oferta foi de 50.000 denários, equivalente a R$ 14.000,00. Com um denário era possível comprar em torno de 8 quilos de pão, isto é, correspondia ao salário diário de um trabalhador, artesão ou funcionário público.

Marcião foi o mais sério e prático dentre os primeiros críticos do Cristianismo. Cheio de energia e zelo, ainda que inquieto, rude e muitas vezes excêntrico. “Marcião não era o tipo que devia ser considerado respeitador de tradições. Antes valia o contrário a seu respeito”. Ele antecipou em muitos séculos as grandes perguntas relacionadas à moderna crítica bíblica e ao cânon. Ele antecipou a oposição do racionalismo ao Antigo Testamento e às chamadas Epístolas Pastorais e o debate concernente ao Jesus Histórico. A base das idéias de Marcião é muito semelhante a dos chamados gnósticos, sintetizadas no livro “Antíteses”, onde quis mostrar os contrastes entre o Velho e o Novo Testamento. A sua grande questão foi a de relacionar um com o outro, pois sendo um anti-legalista entendia que o Evangelho tinha sido distorcido, tornando-se necessário recolocá-lo na simplicidade e verdade que Jesus havia anunciado. Marcião insistia que a Igreja havia obscurecido o Evangelho por procurar harmonizá-lo com as idéias do Velho Testamento. Ele e seus seguidores depois afirmavam que Jesus Cristo trouxera uma concepção de um Deus de amor, enquanto que o Deus do Velho Testamento era vingativo, criador de um mundo mal e da lei judaica, portanto devia ser rejeitado pelos cristãos; o Deus de amor nada tinha a ver com a lei, existindo uma diferença absoluta entre justiça e misericórdia, entre ira e graça.

  1. A igreja precisa ser alerta com a origem das ofertas. Eles podem vir de trabalho escravo, de ações corruptas, de tributos excessivos sobre o povo. Penso que o momento de avaliarmos os recursos que entram em nossos caixas é este enquanto crescemos numericamente. “Usem a riqueza deste mundo ímpio para ganhar amigos, de forma que, quando ela acabar, estes os recebam nas moradas eternas” (Lc 16.9, NVI). A incorreta interpretação deste texto tem trazido confusão sobre a “origem iníqua” do dinheiro.
  2. Precisamos olhar também para o efeito das ofertas. Atenção com os doadores para prestar as contas devidas. As ofertas precisam atingir seus alvos propostos. Quanto menor o custo operacional e de over head, maior será a dimensão da oferta.
  3. Finalmente, o propósito das ofertas deve ser avaliado. Muitas pessoas chegam nas igrejas acenando com ofertas vultosas e grande influência em negócios, o que provoca uma permissão dos líderes perigosa. O exemplo de Marcião mostra que ele aproveitou um momento de necessidade da igreja em Roma. Passou a ter foco exagerado porém se revelou fonte de heresia.

“Justino (Apol. 1. 26) em 150 relata que a pregação de Marcião tinha se espalhado em “kata frita genos anthropon” e pelo ano 155, os Marcionitas já eram numerosos em Roma (Iren. III. 34)”. Harnack, Adolf Von. History of Dogma.

Quando os conflitos com os bispos de Roma começaram, Marcião organizou seus seguidores em uma comunidade separada. Ele foi eventualmente excomungado pela Igreja de Roma e sua doação foi devolvida. Após sua excomunhão, ele retornou para a Ásia Menor, onde continuou a propalar o marcionismo.