Assassinatos não resolvidos de jornalistas por cada milhão de habitantes entre 2002 e 2011. Foram incluídos apenas países com cinco ou mais casos não resolvidos. Os casos são considerados não solucionados quando nenhuma condenação foi obtida.

Posição País Casos não solucionados População (em milhões) Cálculo Pontuação
1 Iraque 93 32 93/32 2,906
2 Somália 11 9,3 11/9,3 1,183
3 Filipinas 55 93,3 55/93,3 0,589
4 Sri Lanka 9 20,9 9/20,9 0,431
5 Colômbia 8 46,3 8/46,3 0,173
6 Nepal 5 30,0 5/30,0 0,167
7 Afeganistão 5 34,4 5/34,4 0,145
8 México 15 113,4 15/113,4 0,132
9 Rússia 16 141,8 16/141,8 0,113
10 Paquistão 19 173,6 19/173,6 0,109
11 Brasil 5 194,9 5/194,9 0,026
12 Índia 6 1.170,9 6/1179,9 0,005

Unsolved journalist murders per 1 million inhabitants for 2002-2011. Only nations with five or more unsolved cases are included. Cases are considered unsolved when no convictions have been obtained.

New attacks have set back Brazil’s anti-impunity efforts. Courts have sentenced perpetrators in at least five journalist slayings in recent years, with authorities winning convictions of masterminds in at least two cases. But two murders in 2011 underscore the grave, ongoing risks facing provincial journalists who report on corruption, politics, and crime. In 2011, newspaper publisher Edinaldo Filgueira was shot multiple times after running a poll on his blog that reflected dissatisfaction with the local government. Five suspects have been arrested in the case. In all, CPJ research shows five unsolved murders in Brazil in the past decade.

Impunity Index Rating: 0.026 unsolved journalist murders per million inhabitants
Last year: Ranked 12th with a rating of 0.026

O Índice de Impunidade do CPJ calcula o número de assassinatos de jornalistas não resolvidos como um percentual relativo à população do país. Para este indicador, o CPJ analisou assassinatos de jornalistas ocorridos entre 1º de janeiro de 2002 e 31 de dezembro de 2011 que permaneceram sem solução. Apenas os países com cinco ou mais casos não resolvidos foram incluídos neste índice.

O CPJ define assassinato como um ataque deliberado contra um jornalista em particular vinculado ao trabalho da vítima. Assassinatos constituem mais de 70 por cento das mortes de jornalistas relacionadas ao seu desempenho profissional, segundo a pesquisa do CPJ. Este índice não inclui casos de jornalistas mortos em combate ou quando realizavam tarefas perigosas, como a cobertura de manifestações de rua.

Os casos são considerados não resolvidos quando nenhuma condenação foi obtida. Os dados sobre população dos Indicadores Mundiais para o Desenvolvimento de 2010 do Banco Mundial foram utilizados para calcular a pontuação de cada país.

Anúncios