Uma reportagem da revista Isto É veiculada no dia 02 de março de 2012 fala da campanha bem sucedida de Mitt Romney que é mórmon. O artigo intitulado A força dos mórmons descreve o mormonismo como uma das religiões que mais crescem no mundo, e que exatamente isso pode acabar ajudando o candidato republicano Mitt Romney a ser o escolhido para enfrentar Barack Obama nas eleições dos EUA.

Apesar da rejeição de alguns setores religiosos da sociedade americana, que não considera o mormonismo uma religião cristã, Romney saiu vitorioso em seis de dez prévias disputadas até agora além de liderar as pesquisas de opinião e a arrecadação de recursos. Assim como todos os mórmons fiéis ele não fuma, não bebe, serve como voluntario na Igreja e doa dez por cento dos seus rendimentos a ela na forma de dízimos.

“Este é sem dúvida o momento mórmon, mas não é e nem será a última vez que o mormonismo se destaca com tanta proeminência nos Estados Unidos”, disse à ISTOÉ David Campbell, ele próprio mórmon e professor do Departamento de Ciência Política da Universidade de Notre Dame.

Mitt Romney não é a única personalidade que pertence ao mormonismo. Além dele, a autora da saga “Crepúsculo”, Stephenie Meyer, o escritor Steven R. Covey, entre outros.

Muitos acreditam que a eleição de Mitt Romney poderia ajudar a diminuir o preconceito que a religião sofre, assim como a eleição em 1960 do católico John Kennedy, ajudou a melhorar a percepção dos católicos pelos americanos.

Karen Trifiletti, da More Good Foundation, entidade que divulga os preceitos mórmons, diz que de nenhuma forma seu governo seria influenciado pela Igreja. “Seus valores são publicamente claros”, diz Karen. “A Igreja não está dirigindo sua campanha. Esse momento é uma oportunidade para dizermos ao mundo quem somos. A curiosidade sobre nossa religião cresceu repentinamente, mas isso não é uma coincidência: Deus trabalha de formas misteriosas.”