Recentemente, o site do FMI sofreu ataque por hackers.

A revista H4ck3r, disponível em bancas de jornais de todo o país, vende cerca de 20 mil exemplares por mês.

“Nós não temos a legislação específica para estes crimes como existe nos Estados Unidos e na Europa”, disse Tossunian. “Apenas invadir não é suficiente para efetuar uma prisão, o que significa que não há dissuasão.”

Já sobrecarregados na sua luta para conter o crime violento em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, a polícia está encontrando dificuldade para acompanhar o passo dos grupos de hackers.

Levantamento do site Zone-H, que concentra registros de sites desfigurados (quando o ataque modifica a página de abertura do portal), mostra que o número desses ataques a sites governamentais brasileiros é alto: apenas neste ano, foram 714. Porém, “até agora, nenhum grande incidente havia chegado à mídia”, diz Breitman.

Desde quarta-feira, eles atacaram os sites da Presidência da República, do Portal Brasil, da Receita Federal, da Petrobras, do Ministério do Esporte e, nesta sexta-feira, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Cultura.