BRASÍLIA e SÃO PAULO. A Polícia Federal prendeu em 16 de junho, em São Paulo, 12 pessoas acusadas de fraudar concursos públicos para garantir acesso a altos cargos do funcionalismo federal. Os candidatos, segundo a PF, pagavam até US$ 150 mil (cerca de R$ 270 mil) pelo gabarito da prova, dependendo do cargo que iriam “disputar”. No Rio de Janeiro, as fraudes em concursos lideram as reclamações na Ouvidoria do Ministério Público que, parece não se mexer muito.

A PF aponta ainda que a quadrilha agia a, ao menos, 16 anos, tendo fraudado uma prova da Receita Federal, em 1994. O grupo teria tentado fraudar ainda concursos da Caixa Econômica Federal, da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), do INSS, da AGU (Advogado da União), da Santa Casa de Santos, de Defensor Público da União e da Faculdade de Medicina de Ouro Preto.

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse que as fraudes em concursos públicos podem levar à revisão das regras para a realização de concursos públicos. “Não podemos ter concursos públicos vulneráveis, sujeitos a fraudes. A Polícia Federal tem que prender (os fraudadores) e nós temos que tomar medidas para que isso não ocorra mais”, afirmou.

Segundo o ministro, cerca de 5 milhões de pessoas estudam para concurso público no país e, por isso, é preciso ter lisura e transparência no processo. Bernardo disse que alguns servidores identificados na operação serão demitidos. Segundo a PF, seis serão dispensados imediatamente, e será solicitada a demissão de outros que tomaram posse amparados por liminar.

As pessoas que passaram em concursos, são marcadas para sempre. Elas ficarão à margem de uma vida abundante em Cristo pois a culpa lhes perseguirá. Para esse tipo de gente, corruptores e corruptos, existe o inferno. Apenas o arrependimento e conversão poderá trazer paz com Deus. Já notou pessoas misteriosas em empregos públicos? Ou pessoas incapazes de ter passado em concurso público? Esse grupo de pessoas precisa de libertação senão estarão presas ao sistema.